Vender os seus livros no Facebook: 5 maneiras infalíveis

Escritor, agora que você já internalizou que “tudo bem você querer vender“. Que faz parte de como o mercado editorial funcional, a nossa sociedade até. Para ser um escritor profissional você vai ter que vender. Vender bem, usando sim as plataformas que você têm a seu dispor.

E para muitos isso envolve usar o Facebook. Sim, essa polêmica plataforma. Cheio de grupos, subgrupos, chats, conhecidos, desconhecidos, fanpages e ads o Facebook acaba por ser um ótimo meio de divulgação. E um ótimo aliado em várias estratégias para vender o seu livro. Afinal, se mais de 100 milhões de usuários brasileiros estão lá, com certeza alguns deles podem ser a) seus leitores ou b) compradores do seu livro.

São muitas possibilidades. E a você escritor, cabe saber aproveitar tais. Ainda mais em tempos de marketing digital, anúncios, likes e shares. Por isso, separei 5 maneiras que você pode usar o Facebook para vender.

E ah, não se esqueça que temos um e-book só sobre o Facebook, hein.

Utilize a sua fanpage

E não deixe ela abandonada.

Eu sei, é fácil esquecer de fazer posts no Facebook. Afinal, com tanta rede social, grupo de WhatsApp, aplicativos é fácil se perder. Mas o Facebook é importante para você, mesmo quando pode até não parecer. Ele é um importante ponto de conexão, central, de para a divulgação de trabalhos, ideias, interação. Muitos projetos podem surgir ou se consolidar através de comentários e postagens. E a fanpage é um ótimo ponto de centralização de todo o seu conteúdo como autor.

E aí que está o “x” de tudo. Centralizar a informação para o seu público, separar que ele saiba no que você está trabalhando. Quais livros foram lançados. E quais ainda vão ser. Se você ainda não tem uma fanpage do Facebook, aqui te ensino, afinal criar tal é “uma das grandes dúvidas que percebemos entre os escritores”.

E a venda na fanpage se dá através da criação de conteúdo relevante para o SEU público. Fazendo assim com que ele interaja mais, lhe conheça mais. Queira, e depois concretize, fazer uma compra. Ou até mesmo recomendar seu livro para outros. Outra funcionalidade da fanpage é que dá para divulgar os seus livros de forma mais dinâmica, colocando o link e em alguns casos direcionando para um marketplace.

Use os grupos!

Mas não seja spam.

Existe uma grande diferença entre os dois. E se você para e se pergunta “estou fazendo spam?” é sinal que sabe, beeem no fundo da sua consciência ao menos, que está fazendo tal. Há grupos específicos de venda de produtos, de livros, de troca, de tudo. Em alguns casos os grupos não permitem compartilhar link de vendas, ou promos. Mas é só seguir as regras do grupo que tudo fica certo e você divulga tranquilo.

Quer dizer, tranquilo sim. Mas fica cargo de você manter a coesão na hora de divulgar. E a sua presença. Não é simplesmente entrar em um grupo e publicar a sua divulgação. Não mesmo. É importante socializar neles, estar presente em tópicos e depois divulgar. Caso contrário a sua divulgação vira a) spam, b) mais um post perdido ou c) ambos. E você não quer isso.

Por isso é super importante estar atento aos grupos, participar antes e depois de divulgar. E claro, se possível, prezar pela divulgação em grupos que você já participa. Que daí é mais eficaz. O bom de divulgar em grupos do Facebook é que você pode postar o link direto e/ou atingir um público mais específico e direto. Economizando o seu tempo.

Seja relevante para o SEU público

É ele quem vai comprar o seu livro

Você já deve estar exausto de tanto ler isso. Mas é verdade. O Facebook é ótimo pois conecta pessoas através de interesses comuns. E é justamente essa conexão que faz com que você consiga vender o seu livro na plataforma. Mas para isso ocorrer, é necessário produzir conteúdo que seja relevante para o seu público.

Algo que parece difícil, mas não é. Basta tentar conhecer ele, saber o que gosta ou não. Observar o comportamento em diferentes publicações, em grupos até. Criando conteúdo relevante para ele. E assim facilitando e ampliando a venda do seu livro. Já que ele vai estar engajado com o conteúdo a compra ocorre de forma mais orgânica.

Tenha bons parceiros

Afinal, isso não mata ninguém

Ainda vai sair um texto sobre a importância de bons parceiros, aguarda. Mas já compartilho que no Facebook eles se tornam ainda mais presentes. Agem como um tipo de reforço para a venda do seu livro, indicam, ajudam em maratonas literárias, compartilham conteúdo. Tudo. E na hora de vender usando o Facebook contribuem ainda mais.

Isso pois eles podem divulgar em grupos que você não tem o hábito de interagir mas que eles são presentes, aumentando as chances de compras. E também contribuir na hora de expandir a sua base de leitores, já que o público de vocês não vai ser 100% igual. Mas tudo isso tem um valor, e não financeiro afinal é uma parceria. Mas sim de valorizar quem está do outro lado te auxiliando. Então busque bons parceiros, mas saiba que depois você vai ter que manter eles. Seja através de troca de divulgação ou até mesmo fazendo sorteios específicos para eles, por exemplo.

Siga as regras

Da plataforma, dos grupos, da própria Amazon.

As plataformas tem regras por algum motivo. E isso tem muito a ver com vender o seu livro. Já que no momento que você não segue há a grande possibilidade de sua publicação ser apagada, sua membresia no grupo ser cancelada, seu anúncio não rodar, etc. Você entendeu: há chance de desperdiçar o seu tempo. E em alguns casos, dinheiro. E quando você segue as regras o conteúdo publicado acaba por não só performar melhor como por ser mais efetivo, vendendo mais livros.

Por isso é essencial saber as regras e seguir-las. Já que elas são um respaldo para ampliar o seu alcance e vender mais.


E aí, o que acharam das maneiras para vender mais livros no Facebook? Quer saber mais ainda? Ou até mesmo como alavancar a sua carreira de escritor? Temos um curso com a Rusga sobre “Como Atrair Leitores e Vender Livros”.

 

Os tipos de anúncios que você deve evitar no facebook

Anuncios no facebook

Anúncios são essenciais para você conseguir furar a bolha, especialmente porque o facebook vem mudando os algoritmos e está tornando cada vez mais difícil a sua mensagem chegar até a sua audiência.

Muita gente vê nos anúncios a melhor saída. Talvez até seja se você tem mais dinheiro do que tempo, já que a outra saída para “vencer o algoritmo” seria participar mais para conseguir um engajamento orgânico.

A questão é que, se você vai utilizar os anúncios, você precisa aprender a fazer eles da forma certa. E o caminho mais curto é saber o que você deve evitar. Aqui vão os 3 piores tipos de anúncios que um escritor pode fazer:

Anúncio para conseguir mais curtidas na fanpage

Essa é a maior furada! O que acontece é que o facebook vai mostrar o seu anúncio não para a pessoa que mais se interessa pelo tema, ou que tem mais chances de continuar acompanhando o seu conteúdo.

Se você define como objetivo mais curtidas na fanpage, o que você vai conseguir é um monte de seguidores fantasma.

Vi certa vez o relato de um jornalista sobre um teste que ele fez com esse tipo de anúncio. Ele contou que fez uma página com um título bem aleatório (daqueles de bater a cabeça no teclado) e começou a investir em “compra de curtidas”. Em pouco tempo já tinha vários seguidores. Então ele foi investigar os perfis e encontrou muito perfil fake mesmo. Sabe aqueles perfis abertos que nem tem atividade, mal tem foto e tem poucos amigos? Pois é, aquelas contas que a gente sempre desconfia.

Não sei a veracidade do relato, mas uma certeza eu tenho, não adianta comprar seguidores que não estando de fato interessados no seu conteúdo. Esses novos seguidores atraídos pelos anúncios só vão fazer o seu engajamento cair, já que não estão de fato interessados no que você tem a dizer.

>> 7 erros comuns que você está cometendo no facebook

Anúncios para venda de livros

Esse é polêmico, mas eu sou contra. A verdade é que o valor do livro dificilmente vai compensar os anúncios. Se o seu objetivo for ganhar dinheiro com a venda, esta é a estratégia errada.

Ebook então, nem se fala. Se considerarmos que o valor médio de um ebook é de R$5,99, você provavelmente vai acabar pagando para ser lido.

Ainda que o seu objetivo seja apenas conseguir mais leitores, os anúncios de venda direta não perfuram bem.

Vale muito mais fazer anúncios para ser conhecido, para que os possíveis leitores vejam o seu livro e conheçam do que para venda direta. Porque a verdade é que anúncios de venda são chatos. Quando vejo aquele “Compre agora!” no facebook meu olho já passa para a próxima informação.

Seus anúncios vão ser muito mais efetivos, se você focar em construir marca, em mostrar sobre o seu livro para os outros.

Muitos autores criam suas fanpages e acabam soando como os vendedores de infomercial. “Olha meu livro! leve agora! Última chance! Livro maravilhoso!”

Não seja esse autor. Não seja o autor que esconde o seu livro, mas também não seja o anunciante de feira. Existe sim um meio termo saudável.

>> Por que você não está vendendo?

Impulsionamento de posts sem objetivo

Quando você impulsiona um post direto da sua fanpage o que ele faz é mostrar o seu post para o maior número de pessoas possível. Ainda que vá melhorar o seu alcance e que você possa selecionar um público-alvo, esse anúncio não tem qualquer objetivo.

Por isso que eu sempre digo que a forma certa de fazer impulsionamento é através do gerenciador de anúncios. Nele você pode definir um objetivo para o anúncio, que pode ser engajamento, por exemplo, para conseguir mais likes e comentários no post. Isso vale muito mais do que um post qualquer com bom alcance. Aparecer para muitas pessoas que não tem interesse no seu trabalho não adianta nada.

Por isso não impulsione os seus posts sem colocar objetivos. Isso só vai baixar o engajamento da sua página, o que faz o facebook entregar os seus posts para menos gente ainda – já que ele não foi relevante para quem viu.

>>Como melhorar o meu engajamento?


Em resumo:

Anúncios são uma ferramenta muito importante, mas devem ser utilizados com cuidado. É importante ter em mente que os seus anúncios precisam ter um objetivo dentro da sua estratégia de marca. Ainda assim existem 3 tipos de anúncios que eu não recomendo que autores façam no facebook. São eles:

Anúncios para crescer a audiência da fanpage: a famosa comprada de curtida apenas te traz pessoas que não tem interesse real no seu trabalho, o que prejudica o desempenho da sua página.

Anúncios de venda direta: eles dificilmente trazem retorno financeiro, pois você precisa alcançar muitas pessoas para vender um livro e o valor do livro é geralmente muito baixo.

Impulsionamento sem objetivo: este só serve para ver seu alcance ir às alturas e seu engajamento cair  lá no fundo do poço. Se você tiver um post bombando e quiser investir nele, faça através do gerenciador de anúncios.

7 erros comuns que você pode estar cometendo no Facebook

Escritor, todo mundo comete erros, ok? Mas assim, alguns são já recorrentes nas redes sociais, especialmente no Facebook. Por isso, separei 7 erros comuns que você pode estar cometendo na plataforma e como evitá-los. Afinal, sempre podemos melhorar o conteúdo publicado.

Mas antes, só queria lembrar que o Facebook tem uma série de diretrizes de como manter a sua fanpage. E não segui-lá é o primeiro erro. Evite isso.
  1. Não responder mensagens e comentários

    Comunicação e interação requerem ao menos 2 interlocutores, certo? Então porque você não responde a mensagens e comentários? (e já que estamos aqui, não se esqueça da sua caixa de emails). Nas redes sociais responder é sinal não só de que você, e a sua marca como autor, está presente mas como que se importa com a opinião de quem lhe acompanha.
    E sim, isso envolve responder inclusive comentários que não são simpáticos. Isso fala muito da sua marca para os leitores inclusive para as editoras.

  2. Incluir mais de um link em uma mesma publicação

    Postar dois, ou mais, links em uma mesma publicação é pedir para deixar o seu leitor confuso. Afinal, aonde ele clica? Qual link vai para a compra? Entende? Ao invés de fazer uma publicação com dois links é muito mais proveitoso você fazer duas com os respectivos links. Muito mais prático a longo prazo e garante o engajamento.
    Outra dica é colocar o link sempre do começo para o meio da publicação. Nunca como a última linha do post. Para isso você pode até incluir algumas hashtags entre o link e o fim.

  3. Usar links completos e não o Bit.ly.

    Já falamos do Bit.ly aqui. Ele é um encurtador de Url que faz com que você possa compartilhar de forma prática o seu conteúdo. Deixando as suas publicações fáceis de ler.
    Links completos, em que a url aparece por extenso tornam as publicações confusas, parece que elas não tem fim. Além disso, o Bit.ly te ajuda a medir de forma precisa quantos clicks a sua publicação teve. Muito prático não?

  4. Só impulsionar publicações

    Minha conta bancária quase chora em solidariedade quando vejo que uma publicação foi só impulsionada. Ponto. Só impulsionar uma publicação não é uma boa ideia, raras são as vezes em que é. Pois significa que você só impulsionou aquele conteúdo. Isso não significa que a pessoa conseguiu mais pessoas curtindo a página, ou cliques no seu site ou compras e sim que a pessoa conseguiu mais engajamento a curtíssimo prazo e que nem sempre é rentável.
    Impulsionar não é uma estratégia a longo prazo, é de curto prazo e com resultados cujo valor deve ser avaliado. Pensar a longo prazo é criar campanhas de anúncios, com leads e com uma estratégia e orçamento bem delimitados. E não só impulsionar.

  5. Criar conteúdo que foque só no seu trabalho

    Em uma frase eu posso resumir porque esse é um péssimo erro de se cometer: pois você não sai da bolha. Pronto. Ao criar conteúdo voltado somente para o seu trabalho, os seus artigos, os seus livros, você fica muito preso nos seus leitores. E isso dificulta o processo de ser conhecido por mais leitores, mais pessoas. Por mais que os seus leitores possam te indicar, compartilhar o seu conteúdo não é o mesmo que conseguir leitores através da associação que um tema pode te trazer. Ao compartilhar diferentes conteúdos você também acaba por não saturar as suas redes, enjoando as pessoas com os mesmos temas, e por fazer com que leitores de outros blogs, sites e autores conheçam as suas plataformas.

  6. Marcar todos os seus amigos em postagens da sua fanpage.

    Ok que amigos são ótimos, eles podem te indicar, dão likes, compartilham seus textos (espontaneamente) quando querem. Mas não force muito. É comum ver escritores marcando seus amigos constantemente em publicações, através de tags, e eventos e nem sempre isso passa uma boa imagem. Quem vê pode pensar que aquele autor tem poucos leitores e que por isso está tendo que marcar conhecidos, que talvez nem curtam o tema abordado.
    O mesmo em relação a comentários, fica estranho ver sempre o autor como pessoa física marcando as pessoas mais próximas. Até mesmo pois ele acaba cometendo o erro número 7 da nossa lista, que segue abaixo.

  7. Não separar as devidas personas.


    Um erro bem comum, mesmo, e que me dá agonia quando vejo é quando o escritor não separa as personas. O que quer dizer? Quando ele não diferencia a pessoa física, com família, amigos, fotos de criança e ou em eventos da pessoa jurídica (por se dizer) escritor que faz campanha, parceria, interage com outros escritores e com seu público. Eles são pessoas diferentes, pelo menos em termos dos objetivos de cada ferramenta da rede, com a 1º fazendo o uso do perfil pessoal e a 2º da fanpage. Mas cuja até mesmo a linguagem e o que é compartilhado difere. Mesclar muito os dois pode acabar afetando algum ângulo da sua vida, bagunçando-o até. Por isso tenha cuidado, calma e se planeje. Se quer investir de verdade na carreira de escritor é importante saber diferenciar as duas personas.

Esses foram os 7 erros mais comuns do Facebook que as pessoas cometem. Conhece algum outro? Se sim, compartilhe com a gente! E não se esqueça de nos seguir nas redes e conhecer os nossos livros.

5 Dicas para fazer uma Live no Facebook e no Instagram

Você já conhece o que é Live, ou transmissão ao vivo, mas fica apreensivo na hora de fazer?

Pois então não se preocupe. Mesmo, fazer uma Live pode ser mais fácil do que parece. Basta ter alguns cuidados. Basta seguir as seguintes dicas:

Lembrando que aqui, trato Live como sendo tanto do Facebook quanto a do Instagram. Uma vez que elas são “plataformas irmãs”.

 

  1. Faça em um lugar com bom Wi Fi

    Qualidade é tudo na hora de se fazer uma Live. Por isso faça em um lugar com uma boa internet, sem muita interferência. Pois quanto mais fraca a rede, pior fica a imagem, prejudicando a qualidade, podendo inclusive travar a transmissão.

    Por isso é sempre bom garantir que a sua internet esteja “em um bom dia” quando for realizar a sua Live.

  2. Procure uma boa luz

    O mesmo que a 1º dica, qualidade é tudo. Por isso procure um local com uma boa luz. Ela vai interferir na imagem da transmissão. Não precisa ser nada sofisticado, pode ser a boa e gratuita luz natural. Sente perto ou se possível de frente de uma janela ou se não tiver mesmo como, pegue um abajur e coloque próximo.

    O importante é que o seu público consiga lhe visualizar com o máximo de qualidade possível, algo que não acontece quando se fica em ambientes escuros ou com luz amarelada.

  3. Escolha um bom lugar e pense no enquadramento

    Pense no todo. Opte por um bom local, de preferência que não tenha muitas interferências de externos e claro que sigam as dicas 1 e 2. Por se tratar de uma transmissão ao vivo, aonde qualquer coisa que acontecer vai ser compartilhado ao vivo com quem está assistindo, é essencial ter um cuidado a mais na hora de escolher o lugar.

    Ambientes como salas barulhentas ao até no pátio (já vi acontecer) não são ideais justamente devido a quantidade de imprevistos que podem ocorrer e pela qualidade da transmissão, como por exemplo o seu público não conseguir lhe entender pois tem alguém falando alto demais perto de ti.

    Outro ponto é você cuidar o enquadramento, verificando tudo que aparece no seu quadro na hora de fazer a Live. Isso afeta não só como o público vai lhe ver mas também ajuda você a ter um maior controle da sua imagem e do que vai ser compartilhado.

  4. Pense no horário que seja melhor para o seu público

    Luz boa, local bom, Wi Fi idem e qual horário você vai fazer? Ora, o que for melhor para o seu público. De nada adianta fazer Live se você não tem o seu público online, disponível, para lhe assistir. Por isso pense nos horários que o seu público mais se engaja, dá like e compartilha o seu conteúdo na hora de definir a melhor hora.

    Outro ponto interessante é combinar com o seu público quando você vai fazer a Live com o seu público, uns dois ou três dias de antecedência já está bom, a questão é eles saberem que vai ter e quando. Se possível, faça uma publicação avisando.  

  5. Tenha um motivo para fazer LiveO última e uma das principais dicas. Tenha um motivo para fazer a sua Live. Sério. Não faça por fazer, sem motivo ou porque é algo novo. Faça pois você tem um motivo, um novo projeto um lançamento, um evento legal como a sua presença em uma feira ou até mesmo alguma mudança que você ache interessante a opinião dos seus leitores. Você pode inclusive, tornar a Live um conteúdo da sua rede ao fazer-lá uma vez ao mês por exemplo.Fazer sem motivo faz com que o seu público não valorize o tempo que você está disponibilizando e investindo ali. E se não tem valorização, chances de o seu engajamento seja baixo vide que as pessoas acham que a transmissão não é importante. Por isso valorize a ferramenta e use com bom senso.

 

Essas foram as minhas 5 dicas para quem quer fazer Live no Facebook. Tem alguma que você ache importante? Se sim, compartilhe nos comentários.

 


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

Por que fazer Live no Facebook ?

Você sabe o que é uma Live do Facebook? Já ouviu falar sobre isso?

“Live” é a função “ao vivo” da plataforma. Ou seja, você pode compartilhar na sua linha do tempo o vídeos em tempo real, tanto na sua fanpage quanto no seu perfil pessoal. (Se você não lembra exatamente a diferença entre ambas, clica aqui.)

É algo muito simples, você já deve até ter visto alguns dos seus amigos ou marcas que você segue fazendo. E realmente é uma ótima ferramenta para aumentar a interação com o seu público.

Aonde eu posso fazer? Na fanpage ou no perfil pessoal?

Essa escolha, de  optar por fazer na fanpage ou no perfil pessoal  fica por você, já que em ambas é possível. E claro que varia muito de como você percebe a sua carreira de escritor. Se você já está produzindo um conteúdo nas redes de forma mais profissional e já tem uma fanpage, um perfil no Instagram voltado para a sua carreira, é melhor fazer nesses perfis e utilizá-los para chamar.

Agora se você é um escritor iniciante, que está começando é melhor fazer no seu perfil pessoal aonde você já tem um número significativo de seguidores e apoiadores. para muitos escritores iniciantes, vale a pena.

Como eu posso fazer?

Simples, se você tem uma fanpage basta fazer download do aplicativo de Gerenciador de Páginas do Facebook, que já lhe apresentamos aqui. Lá você vai ver na aba do perfil a opção “Ao vivo”, que nem na imagem abaixo.

Você clica no botão, ele vai te dar a opção de ajustar algumas e já pode começar a fazer a sua Live. Ela vai aparecer para quem lhe segue como um novo status e vai mandar uma notificação avisando que você está “Ao Vivo”. Quando quiser encerrar a transmissão, basta clicar em “Concluir”. A gravação fica depois publicada na sua fanpage para quem perdeu assistir.

Para fazer no seu perfil pessoal, o processo é quase que idêntico. Só que você vai no seu perfil pelo aplicativo do celular ou até mesmo pela versão web.

É util para a minha carreira de escritor?

Sim. Muito. É mais uma forma de aumentar o engajamento do seu público, algo que nunca é demais. Além de que pode contribuir com a sua imagem de autor. Pois mostra disponibilidade em alguns casos ou até mesmo que você está tendo algum sucesso na sua jornada.

Transmissões ao vivo são ótimas oportunidades de você também conhecer o seu público, saber que tipo de conteúdo ele curte, o que não curte e até como ele prefere interagir. Por isso é uma ferramenta muito útil na sua carreira de escritor cujo uso deve ser considerado.

E você escritor? Já pensou em usar a Live?


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

5 Dicas para interagir com o seu público no Facebook

Aqui na Escritor Publicado sabemos a importância que tem a interação do escritor com o seu público. Seja no Facebook, no Instagram, ou até mesmo respondendo a emails, se mostrar solícito e presente é muito importante para quem trabalha com o público.

Mas como estar presente? Como vou saber é muito ou pouco?

Há uma linha tênue e ela é determinada pelo seu público e claro, pela sua vontade. Você precisa estabelecer um meio termo mas ao mesmo tempo ainda responder o seu público. Interagir não é “algo novo” que os escritores devem fazer. Mas, nos últimos anos tem tomados novas proporções. Ainda mais com as redes sociais.

>> Quer aprender a identificar os seus públicos? Baixe nosso ebook sobre Públicos!

Pensando nisso eu separei 5 dicas para você interagir com o seu público no Facebook

  1. Não mendigue likes, compartilhamentos ou afins;

    Seu público está ali pois quer. Não fique pedindo todos os dias que as pessoas curtam, compartilhem e comentem na suas publicações. Isso passa desespero, parecendo que ninguém lê o que você publica e desvaloriza quem faz isso de forma espontânea. Afinal, parece que o comentário de tal não é “o suficiente”.

  2. Use call to actions!

    Uma coisa é pedir em excesso a atenção das pessoas, outra é ignorar que você tem leitores que podem comentar. Indague os seus leitores, peça a opinião deles em publicações, use os “call to actions“, busque iniciar uma conversa com eles.

  3. Se a pessoa pergunta ou comenta você deve responder;

    Já falamos dessa regra de ouro aqui. Mas não custa lembrar que você deve sempre sempre responder as pessoas que cometam. Mesmo que seja uma crítica, que por sinal devem ser bem vindas, ou até algo sem sentido. Não responder, especialmente aos comentários negativos passa uma certa imaturidade, de quem não lida com críticas. Por isso responda e seja sempre cordial. Isso faz com que encontre a sua fanpage tenha uma boa impressão sua.

  4. Esteja atento às mensagens inbox;

    Isso vale para todos os tipos de inbox. É chato a pessoa te procurar e você ignorar. Muitas vezes são elogios ou até mesmo dúvidas ou críticas construtivas que a pessoa tem a dizer e que muitas vezes ela não quer se ou te expor. No caso das inbox do Facebook é preciso ter um cuidado um pouco maior até, visto há um aviso de média de tempo que demora de retorno em tal.

  5.  Retribua a interação!

    Respondeu os comentários, não ignorou as inbox, usou call to action e não mendigou likes? Ótimo! Agora retribua a interação do seu público. Pode ser desde fazer sorteios ou escolher “leitores da semana” – aqueles que mais interagiram e agradecer na fanpage, enfim qualquer coisa contanto que você retribua a interação. Além de claro ser uma forma de mostrar que as pessoas curtem o seu trabalho,  é uma oportunidade de mostrar para que lhe segue que você os valoriza. Isso faz com que você acabe por aos poucos fidelizando a sua audiência.


Curtiram as dicas? Tem alguma para compartilhar com a gente? Comenta!

Criando ou adaptando uma identidade visual para a sua fanpage

Na semana passada expliquei a importância de criar uma identidade visual para as suas redes. Para saber mais clique aqui. Agora irei ser mais específica, e explicar como você pode criar a identidade visual para a sua fanpage.

Para começar, o óbvio: Tenha uma fanpage.

E se você não sabe como, tem um post com 12 passos para lhe ajudar a  fazer isso. Agora, se você já tem uma identidade visual é questão de adaptar para a fanpage. Caso contrário, você vai ter que criar uma para a fanpage e adaptar para as outras plataformas.

Independentemente, lembre de uma das regras de ouro na hora de pensar e aplicar a identidade visual: Ter coesão.

Adaptando uma identidade visual já existente

A questão é que a sua fanpage tem que pertencer no escopo geral do aspecto visual da sua marca. Não ser mais nem menos, mas sim igual no sentido de chamar atenção e qualidade. O mesmo com os aspectos de design. Lembre-se que a questão é fazer com que o público consiga identificar as publicações como sendo de sua autoria. E não atrelá-las a terceiros, muito menos ao concorrente. O último inclusive, um ponto muito importante na criação da sua identidade visual.

Por isso não invente cores, fontes ou filtros novos. Não é a hora de deixar a sua criatividade tomar o controle, a não ser que você se disponha a refazer toda a identidade visual das outras plataformas. Essa é a hora de seguir com o que já foi decidido.

Adaptando nas publicações e na parte visual

A parte visual de uma fanpage é um dos grandes destaques na hora da identidade. Afinal, ela deve ter as dimensões adaptadas, passar a mesma mensagem que as outras redes utilizadas e se diferenciar das outras fanpages. Ufa! Parece difícil mas não é.

O melhor para fazer tal tarefa sem muito stress é justamente optar por selecionar  elementos que podem estar em comum com as demais plataformas. Pode ser, por exemplo: o uso do bloco de cor, a mesma tipografia, o logo no mesmo lugar,… A lista é longa. Mas a ideia é que ao passar pela fanpage ela conecte com as suas demais redes. E sem esquecer, claro, de sempre compartilhar aonde mais o leitor pode lehe encontrar (como o perfil do Instagram, o seu blog, Wattpad,…).

Para adaptar as publicações é necessário pensar no que você publica: São imagens? São links? No caso do segundo você deve manter a mesma linguagem que utiliza nas outras plataformas.
Já no primeiro você pode optar pela principal família tipográfica da sua marca e utilizar para fazer as imagens. O mesmo com o fundo, por exemplo, que  pode ser tanto um bloco da sua cor principal ou ainda uma imagem de banco de imagem adaptada no tamanho pedido pela plataforma.

Criando a parte visual da identidade da sua fanpage.

Se você decidiu que vai criar uma identidade visual “do zero” ou refazer a sua antiga bom, tem muito mais espaço para criar e inovar. A questão aqui é curta mas nem por isso mais simples: Como você quer que as pessoas percebam a sua marca de escritor?

Pense bem sobre isso. Depois, é direto para o Photoshop, Canva e afins. Pense em famílias tipográficas que você acredita que passem essa mensagem (veja se são legíveis), escolha uma paleta de cores, um estilo que condiga com a sua imagem e comece a criar. Pense de verdade sobre como você vê a sua carreira de escritor e se a imagem que você está criando pode lhe ajudar a chegar lá. Caso não se sinta satisfeito, refaça até ficar como você quer.

Depois de decidido a sua identidade visual, comece a aplicar seguindo as diretrizes de tamanho da fanpage e das demais plataformas.


O que você achou? Quem já criou uma identidade visual para a sua fanpage?


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

Conectando o Facebook com outras plataformas

Ter uma boa presença no Facebook é essencial para qualquer escritor. E mais do que estar presente em uma plataforma, é essencial conectar todas elas. 

Pode parecer exagero, mas não é.

Escolha de uma a três plataformas que você considera essencial estar presente. Digamos que você tenha optado por  Facebook + Site + Instagram. Estar presente nas três requer bastante esforço. Afinal, criar conteúdo original em três meios distintos mas com a mesma imagem é algo que requer tempo e cabeça. Mas conectar plataformas, cujo conteúdo já foi publicado, é bem mais prático.

Isso não significa que você vai deixar de publicar conteúdo original. Longe disso.

Só que você pode conectar para que as plataformas se “conversem”. Façam sentido, tendo coesão. Para isso, você vai criar mais conteúdo. Só que adaptado para cada uma das devidas plataformas.

É importante ressaltar que você não vai multiplicar o uso do conteúdo, repetindo tal. Mas sim criar conteúdo novo com base em um outro conteúdo original. Por isso, é ótimo que seja você quem esteja criando o conteúdo como um todo e não terceiros.

Mas como?

Criando de acordo com cada plataforma. Por exemplo, digamos que você tem um vídeo de um parceiro para divulgar. Não vai pegar o link do YouTube e simplesmente colocar no Instagram, na fanpage do Facebook e no blog. (Ou pelo menos não vai mais).

O que você deve fazer é criar uma postagem para cada plataforma, de acordo com o seu público, divulgando o conteúdo de acordo com a estrutura funcional de tal. Por exemplo: No Instagram você irá colocar um link na bio e um still como foto; no Facebook pode compartilhar o link direto e fazer uma chamada; no blog escrever um artigo breve sobre o vídeo do parceiro.

Entende?

E não é só de compartilhar conteúdo que falo quando digo que é importante conectar as diferentes plataformas. É mais: Conectar o Facebook com outras plataformas é fazer com que quem entra na fanpage saiba da existência das demais e que haja conexão em termos de editorial.

Para fazer isso, é importante ter organização na hora de planejar as suas publicações. Não é só postar “a esmo”. E sim planejar o que vai ser e quando. Um exemplo bem claro são as redes aqui da Escritor Publicado, em que planejamos as publicações do blog (1º plataforma) e do Instagram (2º plataforma) de acordo para que elas se complementem. E não façam com que o público opte por uma ou outra. Dessa forma fazemos com que quem lê o blog e quem visita o Instagram tenham acesso a um conteúdo original, mas com a mesma orientação editorial.

No fim…

As suas plataformas devem se complementar, não serem cópias umas das outras ou competirem entre si. Mas sim serem um coletivo que juntas passam a sua imagem de escritor. Pois dessa forma você acaba por ter um alcance maior nas suas redes. Fazendo com que mais pessoas possam ser atingidas.


O que você achou do texto dessa semana? Deixe um comentário.


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

 

A diferença entre fanpage e perfil pessoal para escritores

Você já deve ter percebido que algumas vezes mencionamos o uso de fanpage. Ter uma é bem interessante para os escritores. Independentemente de você ser um escritor profissional, iniciante ou amador. A fanpage é uma forma de não só separar um pouco os públicos de escritor e vida pessoal mas também de demonstrar profissionalismo.

E como já falamos aqui, profissionalismo com a sua marca do escritor é algo ótimo de se demonstrar

Mas essa não é a única diferença entre ter uma fanpage e um perfil pessoal. Tudo se trata do público que ela conecta. Enquanto que o seu perfil pessoal há desde amigos e família, passando por chefes e pessoas que você conheceu uma vez na vida, a fanpage conecta fãs, seguidores. E por isso as publicações têm como propósito engajar esse público.

A fanpage é ótima para se trabalhar a marca do autor. Pois com possibilita ter uma maior amplitude no diálogo com o seu público e relacionamento com outras marcas. Através da estrutura de tal você pode inclusive realizar campanhas, impulsionar publicações, realizar Lives e ter um número ilimitado de seguidores.

Enquanto no perfil pessoal…

Você fica conectado com as pessoas que já conhece, misturando interações. Passa menos profissionalismo? Passa. Mas permite uma maior proximidade, isso claro, com a exposição da sua vida. Além disso há um limite de amigos no perfil pessoal e a impossibilidade de realizar anúncios ou campanhas.

Para os escritores que recém iniciaram isso pode não ser um problema, a questão é você saber delimitar bem a sua vida/rotina com a escrita e cuidar para um não interferir no outro.

Preciso escolher entre ter os dois?

Não! Na verdade você pode e deve ter ambos. Inclusive, para ter uma fanpage você precisa ter um perfil pessoal. É importante você manter ambos atualizados, mas com viés diferentes. A ideia é você tenha ambos atualizados e com as devidas infos e saiba utilizar-las para o melhor da sua carreira.


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

5 Aplicativos para te ajudar a manter a sua divulgação no Facebook

Planejamento é um tema muito recorrente aqui na Escritor Publicado. Muito devido a natureza do blog e também pois consideramos uma habilidade e ação essencial para tudo que fazemos. Mas dizer para você “só se planejar” e ir embora, deixando o seu cérebro dando voltas e voltas não é algo muito produtivo.

Por isso separei 5 aplicativos que vão lhe auxiliar a manter a sua divulgação no Facebook, e claro, há um de planejamento.

  1. Gerenciador de páginas do Facebook 

    Preço: Grátis
    Se você tem uma fanpage e não tem esse aplicativo no seu celular/tablet você realmente em uma fanpage? Não, não tem. O aplicativo oficial do Facebook permite que você gerencie as suas fanpage(s) de forma prática e rápida. Podendo visualizar os seus insights, publicações, posts planejados e demais dados da sua página de forma eficiente. Também permite planejar postagens pelo aplicativo.

  2. Canva

    Preço: Grátis

    Se você nos segue a algum tempo, já sabe que somos fãs do Canva. Já teve inclusive post sobre isso. A culpa não é nossa (na verdade é, mas…) mas o aplicativo deles é muito prático para quem quer fazer publicações pelo smartphone ou tablet. É um aplicativo que tem tudo ao quase tudo da versão web. Inclusive a capacidade de fazer posts do Facebook, com as devidas dimensões certas, e de outras redes sociais. Vale o clique.

     

  3. Buffer

    Preço: Grátis e pago

    O aplicativo de planejamento muito prático e fácil de usar, o Buffer tem 4 versões de uso:  3 pagas e 1 gratuíta. E é justamente a última que pode lhe auxiliar, muito, na hora de manter a sua divulgação no Facebook.

    Com a habilidade de planejar em diferentes redes sociais, você consegue espaçar e fazer um planejamento a longo prazo e organizar os conteúdos a serem publicados.

     

  4. Adobe Photoshop Express

    Preço: grátis

    Um aplicativo muito útil para quem quer/precisa editar alguns detalhes das imagens e ainda manter a qualidade delas. É muito fácil de usar e com alguns toques se resolve o que é necessário sem ter que ligar o computador.

     

  5. Evernote

    Preço: Grátis e pago

    Um aplicativo de organização tão bom que tem gente que até escreve livros inteiros nele. O Evernote já é queridinho de muitos e por isso indispensável para quem quer se organizar a sua divulgação no Facebook. São muitas funcionalidades, algumas na gratuíta e outras na versão paga.


Curtiram os 5 aplicativos? Tem algum outro que você recomendaria? Responde para a gente nos comentários.


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

Mantendo a sua presença Facebook

Na semana passada te expliquei como é importante pensar no seu leitor na hora de planejar a sua publicação no Facebook. Hoje irei seguir essa linha de pensamento:  planejar pensando em quem vai consumir o seu conteúdo. Por isso irei trabalhar a importância de manter a presença na plataforma.

Sim, presença

Não adianta escolher o tipo de conteúdo que você irá divulgar, publicar uma ou duas vezes, ficar quinze dias ou mais sem entrar na fanpage e querer ter sucesso. Isso não vai acontecer. As pessoas precisam saber que você vai estar ali, presente. Precisam ter dias, ou ao menos noções de tais, em que sabem que irá ter um conteúdo novo seu para elas lerem. Isso mostra constância, mostra que você respeita o seu leitor e mostra profissionalismo.

E você escritor, é um profissional. Mesmo que escrever possa não ser o seu emprego principal,  é necessário tratar a escrita como tal em alguns aspectos. E esse é um destes. Afinal, o alcance da sua publicação e futuro sucesso dependem disso – de manter constante a sua  presença no Facebook.

Porque?

Pois os leitores são pessoas. E como tais, criam hábitos. E você quer que ler o seu conteúdo/blog/livro seja um deles. Ou pelo menos se não sabe que quer, fique sabendo. Para isso você precisa estar em constante contato com o público-leitor. Mais do que saber o que ele gosta/não gosta é estar presente. De preferência com um conteúdo original na frente dele, com uma boa imagem quase dizendo “me leia!”.

Para isso você precisa ser constante. Crie uma rotina para a sua fanpage, algo que agrade o seu público. Por sinal, é uma boa dica se você tiver um público bem engajado: perguntar quando as pessoas preferem ler o seu conteúdo. Assim, elas podem dizer quais dias são melhores para elas. Com essa informação você consegue compreender melhor o seu público e acaba por gerar mais engajamento ainda.

Mas como?

Se planejando! Sim, agora que você sabe para se ter bons resultados no Facebook é essencial conhecer o seu público e se manter presente, a única forma prática de se fazer isso é justamente a mais lógica: Através do planejamento.

Por isso, pegue um calendário e marque os dias da semana que você irá fazer uma publicação no próximo mês. Organize o que você irá fazer em cada dia, quais conteúdos, quais imagens, etc. Separe tudo isso em um lugar que você tenha fácil acesso, pode ser na agenda, no bloco de notas do celular, aonde for mais fácil de você se organizar e planejar.

Após separar tudo, comece a montar o seu conteúdo. Escreva textos, chamadas, separe hashtags, recorte imagens e suba esse conteúdo no Facebook. Isso claro, se você tiver uma  fanpage e possa deixar já planejado. Se você não tiver e depender do seu perfil pessoal para realizar essa divulgação pode deixar as imagens salvas na nuvem ou no aplicativo de imagens do seu celular e o texto em um bloco de notas, ficando por sua conta lembrar e publicar.

O tempo que você irá gastar planejando de uma vez todas as publicações de um mês, ou de até mesmo quinze dias, é substancialmente menor do que o tempo que se gastaria tendo que pensar todo dia ao menos uma vez sobre o conteúdo a ser publicado. E você ainda acaba por garantir que naqueles dias corridos, você não tenha uma coisa a mais para se estressar.


Fazendo isso você garante que os dias pré-delimitados sejam regra e não exceção. Criando uma rotina com o seu público. Garantindo que ele saiba quando vai conteúdo novo a ser divulgado e se mantendo presente no Facebook. 


Ei escritor, escrevi um livro sobre o Facebook! Isso mesmo! Além de um livro sobre planejamento de carreira, o “Planejando a Sua Carreira de Escritor“, tem agora oFacebook para Escritores“. Quer saber mais? Você pode comprar ele aqui ou alugar no Kindle Unlimited. 

 

 

Como chamar atenção do seu público no Facebook

Se você chegou aqui é porque utiliza o Facebook. Talvez já até saiba que ele é super importante para a sua plataforma de autor e quer chamar atenção do seu público mas não sabe como.

Pode estar se perguntando “O que os outros fazem que eu não faço?” ou ainda “Só comigo que é assim?”. Calma aí escritor. Pode não haver fórmula mágica, mas há um leve sentido para as coisas.

Tudo é questão de pensar no seu leitor

Sim. Leitor mesmo. Já falamos que o seu texto é um produto é bom, como todo deve ser consumido. A questão é encontrar o público certo. Esse é justamente o primeiro passo, pensar em qual é o tipo de pessoa que poderia ler o seu texto. E do que eles gostam.

Pensando no que o leitor gosta, consegue se ter uma ideia melhor de o que ele pode gostar de ver como conteúdo na rede. Pode não ser uma ciência exata, mas ajuda muito. Uma vez que, já vai se saber o que ele não gosta, o que é rejeitado por parte dele.

>> Quer conhecer o seu leitor? Baixe esse ebook sobre públicos!

Não pense como autor, pense como um leitor

Pense nas pessoas que podem vir a ler o seu texto. Do que elas gostam?, quais tipos de eventos participam? Quais livros moram na cabeceira delas? Quais não saem das listas de desejos e quais são ignorados nas prateleiras da lojas?

A questão é pensar como leitor para ver como você pode chamar a atenção de tal público. E a partir disso, “embalar” seu conteúdo para tal.

Chamar atenção é questão de conhecer o seu público

Entende? Conhecer o seu público para que ele consuma o que você produz. Se você é um autor de mistérios pergunte-se sobre o que o seu público tem interesse, quais notícias/matérias, quizzes, qual formato de conteúdo agrada mais que você quer que conheça seu texto. E assim com todos os demais tipos de gêneros literários. Tudo questão de pesquisa e adaptação.

Algo que parece difícil mas que não precisa ser. Basta colocar no papel alguns pontos e a partir daí decidir qual conteúdo você irá criar no Facebook para chamar atenção do público certo.

Exemplo: Escritor de chick lit

  1. Qual a faixa etária que leria meu texto?
  2. Quem lê meu texto gosta também da escritora a), b) e c)? Ou só da a) e da b)?
  3. O público que leria meu livro gostaria de ver quizzes de qual livro combina com o filme? Ou de filme cult que se deve assistir? Ou nenhum desses quizzes? (por exemplo)
  4. A lista de desejo do meu leitor inclui o livro a), b), c), d)? Ou só a)? Ou então o i)? (coloque os livros que você imagina que façam sentido)
  5. Meu público gosta de conteúdo chamativo? Mais discreto? Ou meio termo?

Você pode seguir com essas perguntas, várias podem e devem ser feitas

A questão é identificar do que o público gosta para que ele acabe por ser afeito a sua página, gerando clicks, engajamento e futuramente vendas. Pesquise sobre o que seu público goste, do que ele não gosta, do que valoriza ou não. Essa parte da pesquisa em si é essencial para se ter sucesso no Facebook e em demais plataformas.

Pode não existir fórmula perfeita, mas existe sim muita análise e pesquisa. Realmente tire um tempo para que se tenha uma ideia do que se vai produzir. Esse tempo é um investimento com retorno garantido a longo prazo. Só lhe beneficia.


Até semana que vem com mais material sobre o Facebook!