Revisão: o primeiro passo depois de terminar de escrever

Posted on Posted in Colunas, Guia da Escritora Independente, Mercado Editorial

Convidamos a autora Luisa Aranha para compartilhar com a gente e com você um pouco do seu processo de escrita e publicação enquanto Escritora Independente. Para a felicidade de todos, ela topou e vai fazer uma série de artigos esclarecendo algumas dúvidas de quem está iniciando neste caminho da autopublicação.
Sem mais, fiquem com a Luísa e o que fazer depois do manuscrito.


Terminou de escrever sua história e não sabe o que fazer? Vê vários colegas falando que revisam o próprio texto um milhão de vezes e você não consegue ler nem uma vez o seu manuscrito? Calma! Relaxa que tudo dá certo no final.

Assim que você termina de escrever, nem adianta querer ler seu texto de novo. Se fizer isso vai acontecer uma dessas duas coisas: ou você vai mudar todo ele, achar uma droga e jogar na lata do lixo com o botão delete  ou você vai ler todo ele e não vai encontrar nenhum erro sequer.  E não se considere um idiota total por isso. Acontece com todo mundo. Achar que tudo é ruim é uma parte do nosso inconsciente que não nos permite elogios. E não encontrar erros é uma parte do nosso cérebro que completa automaticamente nossas frases pois elas também estão armazenadas no nosso inconsciente.

Então o que eu devo fazer quando termino meu manuscrito?

Cada um tem um ritmo próprio e não existe uma regra perfeita. Isso não é matemática e sim literatura. O que funciona para mim pode não funcionar para outros autores e assim por diante. O que eu costumo fazer é deixar o texto descansar por uns dias, tentando não pensar nele (o que às vezes é muito difícil pois sofro de ansiedade mórbida), depois eu faço a leitura dele em voz alta, gravando no celular para poder escutar depois. Normalmente quando lemos dessa forma, a atenção que despendemos é diferente de quando fazemos uma leitura silenciosa e isso faz com que a gente consiga perceber alguns erros de ortografia e concordância. Não são todos, mas alguns eu consigo eliminar com essa estratégia.

Depois disso, não tem como fugir. Pra gente ter um texto mais fluído e sem erros é preciso um revisor profissional. E  não tô falando daquele seu amigo fera em português. Por mais que ele possa até ajudar, só um revisor com técnicas específicas consegue perceber algumas coisas que aos olhos de qualquer outra pessoa passaria despercebido. Existem muitos profissionais no mercado e com preços variados.  Se você tem muitas opções para escolher e não sabe quem contratar a minha dica seria: procure pessoas que já revisaram textos com esses profissionais e pergunte se: o revisor, manda o texto marcado com as alterações? Ele faz observações sobre termos que ficariam melhor? Ele emite alguma opinião ao finalizar o trabalho?

Por mais que não seja a função do revisor emitir opiniões sobre o seu texto, os que fazem isso acabam se destacando no mercado, pois dá para perceber que a revisão foi além da gramática e entrou na área da interpretação do texto, o que também é necessário para um bom texto.  A questão da marcação das correções no texto é relevante para revisarmos e aprendermos onde estamos errando a mão e, assim, corrigirmos também as nossas falhas.

Eu não considero que o preço seja o decisivo na hora da contratação. Já trabalhei com profissionais que cobram abaixo do valor de mercado e fazem um excelente trabalho e com profissionais com preços exorbitantes que não são tão bons assim. O importante mesmo para a contratação é ter indicações e referências do trabalho do profissional.

Depois do seu texto ter passado pela primeira revisão (sim, se faz mais uma) é hora de encaminhar aos leitores beta, mas isso é assunto pro próximo post!


As opiniões aqui expressas são de exclusiva responsabilidade do autor do texto e não refletem necessariamente o posicionamento oficial da Escritor Publicado

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *