Como escolher a marca certa para o seu publipost!

Posted on Posted in Marketing Literário

Eu sei, você vai dizer: “mas é a marca que escolhe com quem trabalha.”

E até certo ponto você vai estar certo escritor, de verdade. Afinal nesse meio de negócios normalmente quem tem mais força são as empresas, as marcas. Escrevo normalmente pois, felizmente, têm cada vez mais escritores conquistando essa força também. Eles (as) acabam produzindo histórias e mundos incríveis, conquistando leitores, seguidores, vendendo muito, se solidificando como marca de autor.  E isso é sensacional. Pois muda o cenário como a gente conhece. Abre caminho para outros, para os escritores sérios, que analisam o seu público, que se profissionalizam, para quem quiser trabalhar como marca mesmo.

>> Não sabe o que é Publipost? Leia esse post primeiro!

Entenda escritor que toda marca possui várias equipes. Inúmeras. Tem a de marketing,  a de aquisição, de atendimento ao cliente, de finanças, etc e a de vendas. E se você nos acompanha a um tempo já deve ter percebido que atuar como marca de escritor envolve ser várias ao mesmo tempo. Equilibrar o papel de várias equipes em uma só pessoa. E isso, claro, envolve ser a equipe de vendas.

O que vendas faz é mais do que só o que o próprio nome diz.

É também entregar resultados viáveis. Não se promete mais do que se consegue produzir. É quem fecha negócios. E que assim contribui para que a empresa siga no verde. E para você se solidificar como marca, deve sempre levar em consideração esses pontos. Afinal você também quer ganhar dinheiro. E tá tudo bem nisso, ok?

Agir como uma equipe de vendas não é ser o chato que fica incomodando os conhecidos, amigos, parentes, colegas de trabalho e cia para que comprem o seu livro. Nem ser a pessoa que fica enchendo de spam o email de todos os contatos (#ficaadica) ou ficar mandando direct loucamente para todo mundo do ramo que você atua. Longe disso. Agir como uma equipe de vendas é se preparar, determinar um objetivo, estruturar uma apresentação, um projeto e a partir daí buscar marcas que possam ser suas parceiras. Agindo de forma profissional, com métricas de sucesso inclusive.

Atuar como uma marca, representando a sua marca de escritor é o básico para poder ter sucesso. Especialmente quando se fala de um terceiro investir ou comprar a sua ideia. Afinal, independente da marca, eles vão querer resultados. Esse é o grande “x” de agir como uma empresa de vendas: saber até aonde se pode ir. Tome decisões conscientes, saiba medir o seu engajamento. Conheça o seu público, saiba o que você tem a melhorar, o que você pode continuar a fazer e o que você tem que reformular. Esse é um exercício simples que pode mudar como você atua como marca. E quais marcas estão dispostas a trabalhar com você.

“Quando entra a parte da escolha?”Marca para o seu publipost

Agora. Você se estruturou como marca de escritor, já criou um material de apresentação. Sabe as suas métricas e até aonde pode chegar. Agora você vai buscar as marcas que podem ser suas parceiras. E sim, eu percebi o quão essa frase faz parecer fácil. Não é impossível, nem super difícil. Vai dizer, você alguma você já viu alguém que você nunca imaginava fechar uma parceria. Viu? Há espaço para todos.

Escolher uma marca é mais do que só escolher a “marca x” porque tal é a sua favorita. Ou não optar pela “marca z” pois curte muito os posts. Ou ainda colocar a “marca y” só porque ela parece ser fácil de conseguir. É sobre parar e analisar as marcas como um todo. Veja os valores de marca, os projetos, as publicações, qual a imagem que elas passam? Como elas se apresentam nas redes? Pare e anote sobre isso, pense de verdade. E veja se a imagem de vocês é compatível. Como eu mencionei em “O publipost e como você pode fazer um!“: “… você não vai investir o seu tempo trabalhando a própria marca, reputação, estabelecendo parceiros e mantendo o público engajado para fazer um publipost com uma marca que não tem a ver com a sua identidade. Por favor, não. Isso é dar um grande tiro no pé.”

E essa é a grande verdade. Você precisa separar o que vale a pena para você. Isso  significa passar do comportamento de consumidor para escritor profissional. Pois os efeitos podem ser de curto e longo prazo. Seguem alguns pontos a serem analisados.

  • Qual a imagem que a marca passa?

  • Quais são os valores de tal?

  • Como a marca se comporta nas redes? Faz muita polêmica? Responde rápido ou deixa o consumidor falando sozinho?

  • Se você fosse o seu público, compraria da marca que você está pensando em colaborar? Sim ou não?

  • Algum outro escritor já colaborou com tal? Se sim, qual foi a experiência? Teve um bom rendimento total?

  • As imagens de vocês são realmente compatíveis? Não iria ser um tiro no pé trabalhar com a “x”,”y” ou “z”?

A partir daí…

Marca para o seu publipost

Munido dessas respostas você vai buscar os profissionais que trabalham nas devidas marcas. Seja através de plataformas de relacionamento com empresas, ou demais redes sociais. Comece a buscar quem pode receber a sua proposta. A partir daí você vai começar a buscar chegar no departamento responsável por parcerias e/ou redes. Para isso você precisa mandar mais do que um e-mail. Atue em prol de si, busque, mais do que nunca, manter o feed do Instagram atualizado. O mesmo com as demais redes. Essa é a hora de se mostrar presente, vivo, real. Que você sabe o que quer, que conhece o seu público.

Claro, não saia mudando o trabalho que você já fez. Afinal, isso passa desconfiança para o seu público. Mas mantenha uma atenção redobrada. Capriche mais. Essa é a hora de brilhar, escritor. E quando a marca for prestar atenção em você, vai ver um trabalho conciso e bom.

É importante saber também o tipo de conteúdo que você está disposto a fazer.Marca para o seu publipost

Pois nem todo o conteúdo pedido/pago vai ser o que você está disposto a fazer. E isso é um fato. Algumas vão querer o mundo, ou tocar em assuntos que não fazem da sua marca de escritor. O importante é se manter presente, firme nas suas decisões e na sua identidade. Pois isso vale ouro.

Mais do que concordar no preço a ser cobrado, o que também é básico, você deve concordar no conteúdo a ser publicado. Caso contrário, não faz sentido a parceria. Por isso, estabeleça desde o começo o que você vai produzir, entregue o material, aguarde a liberação e daí sim publique. Sabendo assim que você está tomando uma boa decisão para a sua carreira de escritor e não dando um tiro no próprio pé.

>> Veja a série sobre Publiposts


Em Resumo: 

  • Pense como uma marca. Represente a sua marca de escritor. Atuando como uma equipe de vendas, com profissionalismo.
  • Tome decisões conscientes. Sabendo até aonde você pode ir, qual o resultado que pode entregar. Saiba qual o engajamento da a sua marca de escritor e todas as demais métricas.
  • Prepare um material para divulgar para as empresas, isso faz com que aqueles que você contate te percebam como uma marca profissional, algo muito bom.
  • Alguns pontos que você pode analisar na marca:
    • Qual a imagem que a marca passa?
    • Quais são os valores de tal?
    • Como a marca se comporta nas redes? Faz muita polêmica? Responde rápido ou deixa o consumidor falando sozinho?
    • Se você fosse o seu público, compraria da marca que você está pensando em colaborar? Sim ou não?
    • Algum outro escritor já colaborou com tal? Se sim, qual foi a experiência? Teve um bom rendimento total?
    • As imagens de vocês são realmente compatíveis? Não iria ser um tiro no pé trabalhar com a “x”,”y” ou “z”?
  • Busque entrar em contato com os profissionais das marcas, com os devidos responsáveis por parcerias.
  • Esteja atento ao tipo de conteúdo acordado para o publipost e para o valor a ser pago.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *