15 Livros para dar de presente no Natal!

Dezembro, a sexta-feira do ano. O mês que ironicamente começa com despedidas e termina com recomeços. Justamente nesse mês temos o Natal. E independente de como, e se, você comemora é sempre bom ter uma “carta na manga” na hora de escolher um bom presente. Seja para aquele conhecido, amigo, familiar ou até mesmo para si mesmo.

Quem nos acompanha há algum tempo sabe que adoramos presentear livros. Sempre! Desde 2016 já foram muitas listas, entre elas:  25 livros para dar de presente no Natal12 livros para dar de presente para os Namoradxs 5 livros para dar de presente para namoradxs8 livros incríveis escritos por mulheres!

E agora, cada vez mais, temos a necessidade de lembrar: dê livros, valorize os escritores que você curte. Faz bem para o escritor, pra economia e pra nossa cultura.

Vamos à lista!

Ei! Só para deixar claro, os links da lista são afiliados. Ou seja, a Escritor Publicado recebe comissão da venda pelo link. Mas independente de onde você comprar, dê livros nesse Natal!

Tudo nela brilha e queima

Autora: Ryane Leão.

1 motivo para dar de Natal: Sabe quando um livro te nocauteia, no melhor sentido? Esse é “Tudo nela brilha e queima”. Li em uma noite, ri, chorei, amei. E agora recomendo.

Má Feminista. Ensaios Provocativos de Uma Ativista Desastrosa

 

Autora: Roxane Gay.

1 motivo para dar de Natal:  Feminismo, mulheres fortes e independentes. E ah, aprendizado.

Maria Bonita: Sexo, violência e mulheres no cangaço

Autora: Adriana Negreiros

1 motivo para dar de Natal: Já imaginou conhecer a história real da Maria Bonita? Ícone da história brasileira? Essa é a sua chance.

Coração-Granada

Autor: João Doederlein.

1 motivo para dar de Natal: Mais um livro do poeta  brasileiro que pega a gente, destrói e reconstrói em questão de páginas. #leianacionais

O menino que comeu uma biblioteca

Autora: Leticia Wierzchowski

1 motivo para dar de Natal: A mesma autora de “Casa das 7 mulheres” traz mais uma história incrível. #leiamulheres

As viúvas

 

Autora: Lynda La Plante

1 motivo para dar de Natal: Livro que inspirou o filme homônimo, que conta com a Viola Davis! Um suspense policial que te deixa aflito com cada virar de página.

That’s What She Said: Wise Words from Influential Women

Autora: Kimothy Joy

1 motivo para dar de Natal: Mulheres incríveis do mundo, em aquarela, contando a história como ela deve ser contada: por elas mesmas.

Fique Comigo

Autora: Ayobami Adebayo

1 motivo para dar de Natal: Finalista do Baileys Women’s Prize for Fiction com um romance que faz refletir sobre tudo <3 #girlpower

O ódio que você semeia

Autora: Angie Thomas

1 motivo para dar de Natal: Livro é um young adult mega incrível sobre raça, gênero e preconceito.

Pequenos incêndios por toda parte

Autora: Celeste Ng

1 motivo para dar de Natal: Um livro que fala sobre segredos e como nem sempre seguir as regras é a garantia de que tudo vai dar certo..

O mito da beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres

Autora: Naomi Wolf

1 motivo para dar de Natal: O título já diz tudo! Mas sim, aquela empoderada básica para a pessoa amada (ou si mesmo) sempre faz bem!

O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras 

Autora: Bell Hooks

1 motivo para dar de presente: Mais um livro mega necessário e que já é leitura de cabeceira de muitxs!

In Conclusion, Don’t Worry About It

Autora: Lauren Graham

1 motivo para dar de presente: Um discurso mega inspirador que virou livro. Basicamente um livro só de concelhos que servem para todos. Escrito pela eterna Lorelai Gilmore.

Eu Sei por que o Pássaro Canta na Gaiola

 

Autora: Maya Angelou

1 motivo para dar de presente: Mais um livro obrigatório, de cabeceira, de praia, piscina, de tudo! Pra vida. Uma história linda que fala de abuso, raça e libertação.

Trecos, troços e coisas: Estudos antropológicos sobre a cultura material

Autor: Daniel Miller

1 motivo para dar de presente: Quer livro mais propício do que para essa época do ano? Então…

Bullet Journal para Escritores.

Talvez você já tenha ouvido falar de Bullet Journal, ou Bujo, como é chamado pelos seus fans. Trata-se de um diário, ou agenda, em notas. É um sistema simples que pode ser adaptado para as necessidades de quem o utiliza.

Eu venho utilizando desde 2016 e sou apaixonada por esse sistema. Não lembro como eu vivia antes do BuJo, especialmente porque minha memória é péssima.

Além de organizar a vida, o Bullet também pode te ajudar na escrita, e é por isso que eu achei esse tema super relevante para o Blog da EP. Mas, vamos por partes, antes de falar como o bullet pode te ajudar nos seus objetivos de escrita é necessário entender do que se trata.

O que é Bullet Journal?

O BuJo é um sistema bem simples e adaptável. Você não precisa de um planner super complexo e caro, nem de dons artísticos. Tudo você vai precisar é um caderno, com páginas numeradas e uma caneta. A maioria dos adeptos tem suas ferramentas preferidas (eu inclusa), mas para começar qualquer caderno que seja bem portátil basta e a numeração você mesmo pode fazer.

O sistema tem 3 pilares: o índice, o calendário mensal e as notas.

Índice

Exemplo do Index do meu Bullet Real Oficial

Como o nome já diz vai servir para você indexar tudo que o seu bullet contém, como se fosse o índice de um livro mesmo, para que quando você queira consultar alguma informação no futuro, você saiba exatamente em que página ela se encontra.

Eu confesso que nos meus primeiros bullets, eu negligenciei bastante o índex, mas este ano, como comecei a usar esse sistema para gerenciar diferentes projetos, ele foi muito útil e necessário.

Calendário Mensal

Meu calendário mensal. Simples, mas funcional.

É onde você vai marcar todas as datas importantes. Por exemplo, tem que finalizar um conto até dia 29 de setembro, marque lá no seu planejamento mensal.

O sistema original, o mês é feito apenas listando o número e a inicial do dia da semana. Eu prefiro uma estrutura de calendário mais tradicional, com quadradinhos para cada dia. Isso é uma questão de gosto e costume. O importante é você ter uma visão total do seu mês.

Notas

As notas são a parte mais importante do Bullet. É com elas que você faz o seu planejamento diário, através de tarefas, compromissos e notas.

O importante das notas é você criar um código. Eu utilizo alguns elementos do sistema original:

. para as tarefas a fazer

X para as tarefas concluídas

> para as tarefas que foram passadas para outro dia

o para eventos e um

para notas.


Bom, agora que você já tem o básico, existem outras duas ferramentas que eu considero bem importantes para os escritores: o Future Log e os Trackers.

Future Log é uma visão mais ampla do seu ano, com tarefas, datas importantes e tudo aquilo que vai acontecer nos meses seguintes e você não pode esquecer. Eu também gosto de incluir metas que eu tenho para aquele ano. Por exemplo, se quero terminar um livro até metade do ano, vou listar isso como objetivo no mês de Junho. Por se tratar de um caderno e não um planner ou agenda prontos, o Future Log se torna importante para não esquecermos do que ainda está por vir.

Trackers são uma forma de registrar, mensurar e até mesmo de incluir hábitos na rotina. Eles podem servir aos mais diversos propósitos, como registrar seus hábitos de exercício físico, ou de quantidade de água ingerida, por exemplo. Muita gente também faz trackers de humor.

Para escritores, claro o tracker que eu recomendo é de hábito de escrita. Você pode colocar como objetivo um número X de palavras ou de tempo e marcar no seu tracker sempre que atingir aquele objetivo.

Os formatos são os mais variados e vão depender do seu dom para desenho e do quanto tempo você quer gastar com o seu tracker. O mais importante é que ele te ajude a incluir o hábito da escrita diária.

Eu também costumo usar tracker para projetos. Por exemplo, se quero atingir 32 mil palavras em um livro, eu faço um tracker de 1k a 32k para acompanhar o meu andamento ( – Oi NanoWrimo!).

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

Uma publicação compartilhada por Juniper Smiles (@juniper.smiles) em


Bullet Journal para Escritores

Bem, agora que você já sabe o principal sobre Bullet Journal, vamos falar sobre como ele pode ser utilizado para projetos de escrita.

Além do meu Bullet real oficial, eu costumo designar um caderno para cada projeto maior. Sim, eu sou aquela pessoa que adora papel e caneta e meu primeiro rascunho costuma ser feito no caderno mesmo. E eu costumo organizar desta forma.

  • Index
  • Objetivos e Metas: Por exemplo, uma lista dos capítulos de um livro e a data na qual eu pretendo terminar. Ou uma lista dos contos e o status deles (se for terminado, está pela metade, precisa de revisão, etc).
  • Plot : a ideia geral do livro em no máximo uma página
  • Personagens: Nome e dados dos personagens principais falando sobre suas trajetórias ao longo da narrativa.
  • Descrição geral dos capítulos: Um parágrafo sobre cada capitulo.
  • Log: que eu uso bem como o bullet manda mesmo, colocando tarefas, anotando ideias para o desenrolar da história e questões que me surgem ao longo da escrita. No caso, eu separo alguma páginas no final do caderno para o Log.
  • Idéias para Marketing e divulgação: sim, a gente sempre tem que pensar na divulgação das coisas. Quando vejo uma frase de impacto, ou lembro de uma música que tem tudo a ver, ou tenho uma visão legal para uma capa, por exemplo, eu anoto nesta parte. Também deixo isso em algumas páginas reservadas no final do livro.

No meio de tudo isso, claro, eu escrevo. Vale notar que nem tudo eu escrevo no papel. Não seria muito prático. Então o meio do caderno é basicamente uma coleção de cenas soltas que eu muito provavelmente vou rasgar e jogar fora no dia em que terminar a história.


O mais legal do Bullet é que você pode adaptar o sistema ao quer for mais importante para você, afinal ele é um caderno em branco. Nosso melhor amigo, não é mesmo?

Um aviso importante sobre o Bullet Journal:

Se você for procurar pelo termo na internet, vai achar muitas páginas lindíssimas, com desenhos, aquarelas e tudo que a imaginação manda. Se você for desses, legal, mas se não for, o seu Bullet não precisa ser assim. O sistema Original é muito simples, mesmo. Então, não tenha medo.

Antes de terminar, vou incluir aqui o vídeo do sistema original em inglês para mostrar que dá fazer tudo e se organizar sem perder horrores de tempo.

 

5 cursos para se inscrever antes do Dia do Escritor!

Escritor, dia 25 de Julho é o seu dia. Parabéns! Já pensou em comemorar se dando de presente alguns cursos?

Vamos lá, Escritor! Você merece, afinal sabemos que escrever nem sempre é algo fácil, que ser escritor é uma tarefa diária e que nem sempre se é devidamente reconhecido. Aqui na Escritor Publicado acreditamos que todo escritor tem sim muito potencial e basta saber utilizar as ferramentas certas para se ter mais visibilidade, vender mais livros e ter mais sucesso.

Pensando nisso, separei 5 cursos que você pode começar antes do dia do Escritor, e se duvidar até mesmo terminar.

Ps: Esse post não contém link afiliado, porém indico o curso da Escritor Publicado com a Rusga. 🙂

#1 Marketing Digital para Escritores

O curso da Escritor Publicado em parceria com a Rusga – Cursos Para Escritores é voltado para aqueles escritores que buscam aprender a como atrair leitores, consolidar o seu público e vender para as pessoas certas.

São 11 módulos que abrangem desde pilares do marketing à anúncios e mensuração. Tudo em vídeo, 100% online e com um grupo exclusivo do Facebook aonde você pode tirar as suas dúvidas e interagir com outros escritores.

– Custo? R$: 247,00. R$:147,00. (40% de desconto) até o dia 25/07;

– Oferece certificado;

– 100% Online;

– Início Imediato;

– Grupo exclusivo do Facebook;

#2 Como Escrever Contos – Versão 2.0

Escritores que querem escrever contos e ficção, uni-vos! Esse curso é para vocês. Ele é feito pela Rusga, e tem como foco principal “aponta caminhos e possibilidades para quem deseja se tornar escritor. E ainda fala de compressão na escrita, estrutura narrativa, conflitos, teorias de composições de personagens, entre outros assuntos.”. Ou seja, na medida para aqueles que querem escrever mas ainda sentem que precisam aprender um pouco mais.

São 3 horas de curso, dividida em 4 módulos, que vão te ensinar desde estrutura de um conto até estilo e concisão, tópicos bem importantes para quem trabalha com escrita. Além do mais o curso também conta com grupo exclusivo do Facebook e certificado.

– Custo?  R$:147,00 até o dia 25/07.

– Oferece certificado;

– Online;

– Início Imediato;

– Grupo exclusivo do Facebook;

 #3 Oficina de Criação Literária Online

 O curso de Criação Literária Online, do Prof. Dr. Marcelo Spalding, é mega completo. São 4 meses de curso, tudo 100% online, e apresenta “16 aulas + 25 conceitos-chave + 5 desafios de escrita criativa”. Ótimo tanto para aquele escritor que a recém está começando quanto para os que já possuem um pouco mais de experiência com a escrita.

Os temas abordados vão de “O que é um bom texto literário” à “Escrevendo narrativas longas – encadeamento, planejamento’. Tudo com acompanhamento.

– Custo: 210,00.

– Material exclusivo;

– Início Imediato;

– Completamente online;

 #4 Produção editorial

– Custo: R$: 460,00. Pode parcelar;

– Ambiente de aprendizado online;

– Certificado;

 #5 Escrita para Televisão

A Shonda Rhimes, uma das grandes criadoras de séries de televisão, fez um curso de escrita para televisão na Masterclass. Essa super plataforma, com professores mega qualificados e que ensina diversos assuntos. O curso da Shonda Rhimes consiste de 6+ horas de aulas em vídeo e conteúdo exclusivo. Somando quase 30 módulos.

O curso é um pouco mais caro, 90 dólares americanos, mas é ótimo para aqueles escritores um pouco mais profissionais. Sabe? Aqueles que já conseguem trabalhar com a escrita e querem mudar um pouco de área, ou também para aqueles que querem aprender mais sobre a escrita para televisão.

– Custo: 90 dólares americano.

– Ambiente de aprendizado online;

– Material exclusivo;

 

5 erros que a maioria comete na hora de divulgar!

Escritor, todos nós cometemos erros. Acontece, nem sempre tomamos a melhor decisão ou até mesmo temos conhecimento de como algo que publicamos pode afetar a nossa marca ou projeto. Isso é comum. Aqui na escritor publicado já mencionamos algumas vezes quais erros são comuns de serem feitos e como evitá-los.

Em  “Os 6 maiores erros que os escritores cometem nas redes sociais”, ou os “7 erros comuns que você pode estar cometendo no Facebook” vimos que errar é algo comum, acontece mas que pode sim ser evitado. Afinal, esses erros podem prejudicar a sua marca de escritor e as suas vendas. Por isso separei os 5 erros mais comuns que a maioria comete na hora de divulgar e como você, escritor que quer vender muito, pode evitar eles.

#Criar um planejamento sem consistência

Consistência deveria ser uma regra a ser seguida 24 horas por dia, 7 dias da semana. Você precisa ter consistência para divulgar bem uma marca ou produto. E como já falamos muito aqui: seu livro é um produto e você uma marca.

Ter consistência faz com que as pessoas lembrem de você, constantemente, deixando a sua marca no imaginário de quem podem via a comprar o seu livro. E por isso é tão importante. Sem consistência você corre o risco de ter um bom livro, com uma boa escrita e poucas vendas.

Para não cometer esse erro, foque em ao menos uma vez por dia aparecer no feed ou Instagram stories das pessoas. Não necessariamente só sobre o seu livro, pode ser sobre um projeto, pode ser sobre você ou sobre parceiros. O importante é que os seus leitores tenham contato com a sua marca de escritor.

#Não colocar link de vendas!

Cada vez que alguém faz um post de divulgação e não coloca ou menciona um link de vendas eu imagino um livro a menos sendo vendido. De verdade. O link serve para direcionar quem lê a publicação, fazendo tomar uma decisão, que pode ser de compra.

Isso é muito fácil de ser resolvido: basta adicionar no link da bio um link de venda ou na própria postagem. Fazer isso no Instagram é mais fácil, pois você pode adicionar nos comentários também. Mas no Facebook também dá resultado. A questão é ter um bom “call to action” que influencie e direcione quem vê a publicação.

#Divulgar livro sem mencionar o valor…

Na mesma linha de divulgar um livro sem colocar o link de venda, vem não mencionar valores. Claro que não precisa ter valores nas imagens ou em todos os posts. Mas mencione quanto vai custar um livro na legenda e/ou no site. Isso faz com que o leitor se informe, saiba quanto o custa e facilita na hora de decidir se ele vai comprar ou não o livro.

Além disso, não mencionar o valor dos livros ou produtos da a impressão de eles serem caros. E afasta o público. E isso você não quer que aconteça, não é mesmo?

#Não ter coerência na sua divulgação…

Se a sua divulgação e branding tem um estilo, não adianta trocar ela subitamente só para divulgar um livro. Isso pode confundir os seus seguidores, que já estão acostumados com um estilo e formato. Se você quer montar algo novo o ideal é ir fazendo a transição aos poucos.

A coerência também está relacionada a como você apresenta a divulgação dos livros. Se o livro possui um estilo de romance não adianta divulgar como se fosse algo diferente. O mesmo acontece com posts no blog ou eventos. Seja coerente com o que você está divulgando.

#Não utilizar as hashtags ideais/pré-determinadas

Você se deu o trabalho de fazer um branding, criar uma divulgação eficaz, ter coerência na sua divulgação, colocar link de vendas, preço e não colocou as hashtags mais adequadas ou pré-determinadas ? Você está dando um tiro no pé. Isso pois o seu público pode não vai receber os posts.

Isso mesmo, há uma chance de eles não receberem os posts. 

Se você não sabe ainda quais hashtags utilizar, basta fazer uma pesquisa para saber quais se adequam com o seu público e conteúdo a ser divulgado. Procure no próprio Instagram ou no Facebook e adicione  nas legendas ou posts. As hashtags fazem uma super diferença na hora das plataformas entregarem as publicações para os leitores. E pode sim te beneficiar muito!


O que vocês acharam desse post? Que tipo de conteúdo você quer ver aqui? Me conte nos comentários!

Quer saber como você pode vender os seus livros? Conheça o nosso curso, em parceria com a Rusga–Cursos Para Escritores , ” Como Atrair Leitores e Vender Livros.”

3 dicas para escolher a data do seu lançamento

Escritor começamos a falar por aqui de lançamento, por sinal se tiver alguma dúvida deixe nos comentários ou nos envie por direct no Facebook ou no Instagram, está na hora de você decidir uma data. Sim, uma data. Afinal, você escreveu, revisou, escolheu a capa, começou a fazer a divulgação nas suas redes sociais, se cercou de parceiros e agora está na hora de lançar o seu livro.

Sim, basicamente que nem um foguete. Você vai escolher uma data, se organizar para ela. Afinal, sabemos o quão é importante planejar o seu lançamento. E pensando nisso eu separei 3 dicas para na hora de você marcar (e divulgar!) o seu lançamento.

Ah, vale tanto para caso ele de e-book quanto um lançamento de livro físico.

#Dica 1 – Não lance em feriados

Muitas pessoas não vão se importar. Ponto. Se for o lançamento de um livro físico há uma grande possibilidade de as pessoas não comparecerem e você ficar com vários exemplares empacados e no prejuízo. Você pode até argumentar “ah quem realmente for comprar se organiza”, e está certo, quem realmente quiser comprar vai se organizar. Mas nem todos querem/podem/conseguem se organizar.

E você não pode depender desses que vão se organizar. E alguns realmente não percebem que é feriado, confirmam e depois acabam por não poder comparecer. Chato? Óbvio. Mas pessoas são pessoas e elas às vezes cometem erros, se complicam, marcam datas erradas nos calendários. Acontece.

Na dúvida, não marque os seus lançamentos em feriados. Tanto físico quanto digital. Marque na semana seguinte, valorize o seu trabalho e garanta um público maior.

#Dica 2 – Escolha dias “neutros” para o seu lançamento

Ou seja: não lance em feriados religiosos ou em momentos de crise extrema ou até mesmo em dia de eleição. Isso pois sim esses eventos podem ofuscar o seu lançamento. Mas mais do que isso, normalmente nessas datas as pessoas não estão tão atentas ao consumo e sim para o que está acontecendo no país (caso de crise extrema e eleição) ou estejam viajando ou participando de algum evento religioso (feriados religiosos).

Também não recomendo lançar durante eventos esportivos que comovam o país, vide a copa. Pelo menos não no dia em que há a participação do Brasil. Há quem não se importe com esses eventos? Há. Mas muita gente literalmente “para” na hora desses eventos. E por isso acabam por não prestar atenção à lançamentos.

Ou seja, o país está desabando? Um golpe está acontecendo? Seleção brasileira está jogando? Não lance o seu livro. Faça uns dias depois, se organize. Claro que  não temos como prever os acontecimentos políticos do país, portanto se chegar o dia do seu lançamento e algo grave estiver acontecendo, mantenha a calma e encare como um desafio.

#Dica 3 – Certifique-se das datas de lançamento dos seus principais concorrentes

Não faça a loucura de lançar no mesmo dia do seu principal concorrente. Que fique claro que eu te avisei. Não faça isso. Pois não só você vai ter mais trabalho para ter atenção do público, afinal ele também vai estar fazendo divulgação, quanto pode parecer uma atitude de extrema rivalidade, ainda mais se são concorrentes do mesmo nível.

E essa imagem é passada mesmo quando a data não tenha sido intencional, fica feio para quem optou por divulgar por último a data do lançamento. Caso a escolha da data tenha ocorrido ao acaso, tente mudar se não tiver feito ainda a divulgação. Caso não tenha como, tudo bem. Se ficar estranho, converse com o colega escritor e siga a diante.

Se você sem querer optar por lançar no mesmo dia que um grande escritor do seu nicho, esteja ciente de que você receberá menos atenção do público. Se possível mude, se não tiver como, aceite e tente fazer uma pré-venda bem trabalhada. Com muita divulgação, livros autografados, tudo que tiver direito. Que ao menos você acaba por poder contornar a falta de público no dia.


Essas foram as minhas dicas. O que você quer saber mais? Conte para a gente nos comentários!

Quer saber como você pode vender os seus livros? Conheça o nosso curso, em parceria com a Rusga–Cursos Para Escritores , ” Como Atrair Leitores e Vender Livros. “

Planeje, mas não se reprima.

Não se Reprima

Se você acompanha o blog da Escritor Publicado, já deve ter visto muitos textos sobre planejamento. Nós gostamos muito de planejamento, pois ele dá rumo, dá direção e torna a jornada mais fácil. Planejamento é essencial, a gente costuma dizer.

Essencial para a sua carreira, para a divulgação dos seus livros e para a sua vida, mas o assunto de hoje é planejamento de histórias. Para quem tem medo de sentar na frente do computador com a tela em branco, ou mesmo com o papel, se você for analógico assim como eu, é a melhor forma de começar a sua história.

Não se Reprima

E existem diferentes modelos de planejamento que você pode usar ou adaptar para você.

Planejamento a partir dos personagens:

Onde a ficha dos personagens é o central do planejamento. Afinal, sabendo quem eles são e como eles interagem uns com os outros você já tem o essencial para começar a construir a sua história.

Snowflake – Método do floco de Neve

Ele consiste em 7 etapas que vão de uma frase inicial até a definição de todas as cenas que vão compor a sua história. A frase vira um parágrafo de 5 frases. Depois cada uma delas vira seu próprio parágrafo e assim vai. Com esse método você vai decupando e definindo um pouco cada dia até ter toda a sua história esquematizada, para só sentar e escrever.

A escritora Bruna Meneghetti detalhou o método, com as adaptações dela, nesse post aqui.

3 Atos

Se você conhece a estrutura de 3 atos, sabe que toda história tem início, meio e fim, um clímax e alguns ganchos. Se você souber isso sobre a sua história, como começa, o que acontece no desenvolvimento para levar ao clímax, a resolução que o personagem encontra e o fechamento… bem, se você souber tudo isso a sua história já está planejada.

Acho que esse é o esquema que a maior parte dos escritores utiliza, mesmo que instintivamente. Afinal, todos sabemos que histórias tem início, meio e fim e que temos acontecimentos que serão os catalisadores das mudanças nos personagens.


Se você costuma se planejar, uma dessas duas coisas acontecem: você segue o planejamento a risca, com muita disciplina, ou você senta na frente do computador e tudo começar a mudar. As vezes os personagens querem agir diferente, ou outras coisas acontecem com os personagens periféricos que vai interferir na trama principal.

Ou seja, ou você segue o planejamento, ou não. E tudo bem. Sim, todo mundo precisa de planejamento, mas não se reprima. Quando chegar a hora de sentar e escrever se deixe ser guiado pela inspiração também, afinal, ser criativo passa pelo inesperado.

As vezes, e isso já aconteceu mais de uma vez comigo, a história em si é uma alegoria para algo muito maior, algo que a gente ainda não conseguia enxergar na fase de planejamento. As vezes para conseguir ir mais fundo nos temas a gente precisa se deixar levar pela nossa musa (ou muso, se você assim como Stephen King acredita que ele é um homem).

Planejamento é um direcionamento. Tudo bem se você não conseguir seguí-lo a risca. O importante é que ele te ajude a começar o seu texto, a sair da inércia a começar a longa jornada da escrita.


Quer saber mais sobre planejamento de Marketing e Comunicação? Se liga nos links:

Planejamento de Comunicação para escritores

Planejamento de Marketing

Planejamento Estratégico para Escritores

5 recursos que todo escritor iniciante precisa

Você decidiu encarar de vez o mundo da escrita, ser escritor. Que incrível! Mas sabia que para isso você vai precisar de recursos? Pois então, a carreira no mercado editorial é repleta de muitos aprendizados, percursos, sonhos, ideias, estilos, decisões a serem tomadas e, claro, trabalho. E aí que entram os recursos.

Afinal, são eles que vão te ajudar a ter uma carreira de sucesso. Eles podem ser úteis para inúmeras tarefas. Desde a organizar melhor o seu dia a dia (afinal não se vive só de escrita vinte e quatro horas por dia), passando por ajudar a produzir textos de forma mais rápida, a organizar as ideias dos seus livros e até para gerenciar as suas redes. A maioria desses aplicativos e plataformas possuem ao menos uma opção gratuita e estão disponíveis tanto para IOS quanto para Android.

Começar a carreira de escritor pode não ser fácil mas por isso mesmo esses 5 recursos vão lhe auxiliar na hora de dar um star na sua carreira. Assim, sobra mais tempo se preocupar em escrever.

Ah, se você quiser saber como bombar o seu Instagram, basta ir no post da Mariane Lima “Todas as ferramentas que você precisa para fazer o seu Instagram bombar!”.

-> Para ajudar a ter mais ideias ou organizar as que já existem

MindMup

Um dos aplicativos que eu atualmente mais uso para organizar as minhas ideias é o MindMup. Ele é uma plataforma totalmente gratuita, em que você pode fazer mapas mentais e convertê-los em PDF, Power Points. O que é ótimo para quem quer poder compartilhar o que está criando com os outros. Além disso, ele permite que se compartilhe online e salvar no Google Drive. 

A “pegadinha” de ser tão bom e gratuito é simples: cada mapa mental só pode ter até 100 KB e ficar no ar por até seis meses. Além disso, há as versões por assinatura, de USD: 2,99 por mês. Mesmo assim, como recurso gratuito ele contribui para quem quer se organizar de forma visual no computador.

Mais do que para criar, os mapas mentais podem ser úteis para  organizar a vida e também para ajudar na sua divulgação. Isso pois é um excelente recurso visual de fácil uso.

-> Para organizar o tempo

Trello

O Trello, há quem ame e quem o odeie. Eu amo, tento que até procurei aqui no blog da Escritor Publicado se eu já tinha feito um post sobre ele, mas não. Uso ele desde 2015, e confesso que às vezes fico um pouco entediada com ele. Mas a verdade é que ele tem um design muito simples e é relativamente fácil de se aprender a utilizar. Sendo muito bom para quem quer se organizar de forma digital.

Ele possui uma versão gratuita e duas pagas. Sendo as duas últimas voltadas para empresas e equipes. Se você é um escritor ou até criador de conteúdo verá que a versão gratuita não deixa a desejar. Com a plataforma você pode criar “boards” pessoais, com listas, ideias, imagens,adicionar documentos, checklists, etc. Ele deixa tudo organizado de forma bem visual, o que é excelente para aqueles escritores que estão sempre na corrida.

-> Para escrever

Google Docs

Sabemos que existem inúmera plataforma de escrita, uma delas eu inclusive citei aqui. Porém. no fim do dia a melhor plataforma vai ser aquela que é acessível tanto em termos financeiros quanto em termos de usabilidade. Já que poder escrever quando der tempo ou vontade sem depender de um aparelho específico acaba por facilitar e contribuir para a produtividade de quem escreve.

O Google docs dispensa apresentações, ele é gratuito e para começar a utilizar basta ter uma conta Google. Além disso, você pode usar os aplicativos em Android e IOS. E por fim, um recurso muito utilizado aqui na Escritor Publicado, é que você pode usar o modo de microfone e gravar a sua voz e ele transcrever no documento. Quer mais prático que isso?

-> Para quem curte ficar offline

Bulletjournal

Mais um dos recursos que eu não sei o motivo de ainda não ter figurado em um post do blog. O bulletjournal, mesmo tendo site e aplicativo, é um excelente modo de ficar offline e manter a sua produtividade. Isso pois funciona como um método em que você usa um caderno e nele preenche diferente itens, como ideias de textos, tarefas, lista de possíveis nomes, etc. E organiza seguindo algumas diretrizes compartilhadas no site acima ou seguindo o seu próprio sistema de organização.

Como você deve ter deduzido, há um investimento em cadernos e, se você quiser muito, em algumas canetas. Mas no geral, o bulletjournal é um recurso bem acessível e você pode começar com os cadernos e canetas que possui em casa mesmo.

-> Para gerenciar as suas redes:

Pablo

O Pablo dispensa apresentações, especialmente se você nos segue a um tempo. A verdade é que já teve até post só sobre ele: Pablo – Conheça o seu mais novo ajudante nas redes sociais!

Ele é ótimo para quem quer fazer imagens simples mas de qualidade. E em pouco tempo. É uma plataforma que possui algumas opções de tamanho de imagem e estilos. Tudo bem que não são tanta quanto o Canva, mas é um ótimo recurso para aqueles escritores iniciantes.

Além disso, ele permite através de contas do Buffer, tanto pagas quanto gratuitas, compartilhar nas redes sociais. Essa funcionalidade se dá com o aplicativo do Buffer.


Resumo de “5 recursos que todo escritor iniciante precisa”

Sendo bem prática, nesse resumo vou colocar os devidos recursos e os devidos sites. Bem como, adicionarei os links dos artigos citados. Resumindo, assim, os 5 recursos e um bônus.

-> Para ajudar a ter mais ideias ou organizar as que já existem

MindMup

Site: https://www.mindmup.com/

Artigo: “Como usar um Mapa Mental para organizar a sua divulgação?”

-> Para organizar o tempo

Trello

Site: https://trello.com/

Artigos: Organização

-> Para escrever

Google Docs

Site: https://www.google.com/docs/about/

Artigo: “5 Aplicativos para te ajudar a manter a sua divulgação no Facebook”

-> Para quem curte ficar offline

Bulletjournal

Site: http://bulletjournal.com/

-> Para gerenciar as suas redes:

Pablo

Site: https://pablo.buffer.com/
Artigo: Pablo – Conheça o seu mais novo ajudante nas redes sociais!


O que vocês acharam do 5 recursos que compartilhei? Tem algum outro que acham que seria complementar? Se sim, deixe nos comentários. 

 

Programas de Afiliados – O que são e como você pode ganhar dinheiro!

Vocês já deve ter visto por aí, inclusive aqui no blog da Escritor Publicado: os programas de afiliados. Hoje, te explico o que são, como funcionam e como você escritor pode ganhar dinheiro com isso.

O que são?

São programas de logística muito simples em que as grandes empresas promovem a venda de produtos por meio de terceiros. Algo muito utilizado pelas empresas do varejo. Em programas assim o que acontece é que os interessados por divulgar (afiliado) os programas ou produtos que estão disponíveis no anunciante divulga em troca de alguma renda, seja ela uma comissão geral ou por item vendido

A partir daí o que acontece é que o anunciante disponibiliza imagens, textos, links ou até mesmo códigos para que o afiliado possa divulgar e ter o controle de quanto foi comprado pelo seu público. Isso é muito importante pois dá ao afiliado não só uma maior noção do comportamento do seu próprio público, quanto passa a dar uma maior valorização pelo trabalho desenvolvido, publicado na sua plataforma. Fornecendo o material básico para a divulgação dos produtos, o anunciante acaba por passar mais credibilidade para o afiliado, no caso você escritor.

Também há a possibilidade de pulverizar mais as divulgações dos afiliados, usando links indexados em stories, uso de aplicativos e links em vídeos, por exemplo. O que faz com que o afiliados consigam se valer de diferentes plataformas para divulgar os produtos.

Por que vejo tanto?

Essa super disseminação dos programas de afiliados tem se dado muito devido ao aumento de conteúdo sendo produzido online.  O que isso quer dizer? Que cada vez mais temos conteúdo de boa qualidade sendo publicado e lido (!!!) nas redes sociais e nos blogs. Isso acaba por abrir uma porta enorme para quem está disposto a “ceder” um pouco do seu espaço para determinados anunciantes e produtos.

Quanto mais seguidores e mais engajamento, melhor vão ser os resultados dos link dos programas afiliados. Isso não quer dizer que você não deva se inscrever em um deles, calma aí. Só que ele pode servir como outro incentivo para crescer mais a sua atuação nas redes. E também explica porque está ficando super comum vermos mais marcas, youtubers, escritores e influencers se valendo de tais.

Além do básico: quem trabalha com redes sociais também ganha dinheiro com isso.

Hoje em dia o público ficou mais seletivo, leva muito em consideração  a opinião de alguém que ele conhece, confia. Por isso também que quem trabalha com rede sociais viu nos programas de afiliados uma forma de gerar, ao menos uma pequena, parcela de renda. E o mesmo acontece com os com anúncios e publiposts: quem mais tem engajamento e seguidores acaba por ter mais sucesso fazendo tais.

E as grandes empresas já perceberam isso a um bom tempo. Tanto que atualmente investem muito em programas de afiliados, pois aproxima o produto que eles querem vender do consumidor. E aí que entra você escritor.

Como funciona para os escritores?

Como já falamos muito aqui no blog, da Escritor Publicado: você precisa ter uma marca de escritor. Munido disso você começa a trabalhar em cima do engajamento do seu público para depois começar a buscar programas de afiliados. São inúmeros os que existem, uma simples pesquisada no Google já pode te vários resultados, porém é muito interessante ler tudo sobre cada um deles. Só dessa forma você irá conseguir escolher o que mais lhe agrada.

Comece buscando por programas que façam parte do seu nicho. Que tenha sentido com o que você publica. E isso nos leva ao próximo questionamento.

Qual o programa de afiliados ideal?

Não existe programa perfeito. E eu nem vou tentar de convencer do contrário e oferecer “x”,”y” ou “z”. O que acontece é que o programa ideal provavelmente vai ser diferente do seu colega ou do meu. Algo comum quando se trata de público-alvo e nichos. Porém existe uma pequena ordem que pode te ajudar a chegar no programa que seja muito bom para você.

Exatamente isso! Ter uma marca de escritor consolidada + ter um bom engajamento + optar por um programa de afiliado que faça sentido para a sua marca e para o seu público pode ajudar muito a chegar em um programa de afiliado que te deixe satisfeito.

Depois da escolha, é só garantir que você está devidamente cadastrado no program. Inclusive, fique atento aos dados bancários. Tudo certo?  Agora crie postagens que façam sentido para o seu público e que você pode adicionar os devidos produtos do programa.

Depois de escolher você chega na parte mais interessante do processo: o divulgar.

Como divulgar para o meu público que faço parte de um programa de afiliado?

Sendo honesto. Ponto. Eu realmente podia terminar esse parágrafo aqui. A base é ser honesto, você não precisa fazer firulas, usar imagem em neon ou qualquer outro artiício para divulgar para o seu público. Uma simples linha no texto, antes dos links, já serve. Ou um aviso no stories com a #linkafiliado #programadeafiliado também. O que importa é que você avise para os seus leitores que ao clicarem em um link em determinada postagem eles vão ser direcionados para a compra de um produto cuja pequena porcentagem da venda vai ir para você. Simples.

Aqui na Escritor Publicado mesmo usamos sempre a mesma frase: “Ei! Só para deixar claro, os links da lista são afiliados. Ou seja, a Escritor Publicado recebe comissão da venda pelo link.” E nunca tivemos problemas. Contanto que você mantenha a transparência no processo de divulgação do programa e de quando isso acontece, a sua integridade de enquanto escritor/blogueiro/criador de conteúdo não vai ser afetada.

Então seja honesto mesmo, avise no stories, em posts do Instagram, em postagens de blog e não tenha medo ou apreensão de divulgar algo que pode sim te trazer uma renda a mais. Não só por ser uma prática super utilizada, mas por ser permitida nas plataformas, redes sociais e blogs.

E vocês, já participou ou participa de algum programa de afiliado?


Resumindo…

Os programas de afiliados estão em todos os lados na internet, inclusive no blog da Escritor Publicado. São programas  em que as grandes empresas promovem a venda de produtos por meio de terceiros.

Como funciona:

  • Interessados por divulgar (afiliado) os produtos que estão disponíveis no anunciante se cadastra no programa do anunciante divulga em troca de alguma renda/ por produto vendido
  • Quem consome o conteúdo orgânico da afiliado clica no link ou imagem (pré-disponibilizado pelo anunciante) e é redirecionado para a página de compra. Ao finalizar a compra o afiliado recebe uma porcentagem pré acordada no programa.

Eles se popularizaram devido ao aumento de consumo e publicação de conteúdo online. O que é ótimo, pois significa que aumentou a a chance de você ter uma renda extra através dele programas de afiliados.

Como funciona para os escritores? Simples, antes de sequer pensar em programas de afiliados você deve ter bem claro qual a sua  marca de escritor. Depois buscar por programas que contemplem o que você quer, o seu nicho e o conteúdo a ser divulgado. Nessa etapa é muito importante prestar atenção no o que o seu público quer ou espera do seu conteúdo a ser publicado. Para não arriscar perder a sua credibilidade e público.

Embora não exista programa de afiliado ideal, ter uma marca de escritor consolidada + ter um bom engajamento + optar por um programa de afiliado que faça sentido para a sua marca e para o seu público é o mais próximo de ideal que se pode chegar. Seguir essa mini fórmula é um bom começo para encontrar o programa de afiliados ideal.

Por fim, falta só avisar o seu público e para isso é melhor ser logo honesto. Avise através de hashtags, frases bem claras, etc. O que ficar mais claro para o seu público.

E você? Já participou ou participa de algum programa de afiliado?

8 livros incríveis escritos por mulheres!

Não existe outra forma de começar esse texto sem um pedido: leia sempre mulheres. Não só no dia da mulher, ao começarmos o mês de março, quando alguma escreve um livro incrível e que depois vira filme ou quando o trabalho é devidamente reconhecido através de prêmios e sucesso de vendas. Leia sempre. Ponto final.

Leia mulheres de todas as etnias, culturas, países, grupos, classes sociais, idiomas, mulheres que fazem parte do movimento LGBT, que são escritoras independentes, mulheres publicadas por grandes ou pequenas editoras, mulheres cuja escrita é suave e também aquelas cujas palavras saltam aos nossos olhos. Simplesmente leia sempre mulheres. A leitura, o respeito e o incentivo pelo trabalho de tais deveria acontecer todos os dias do ano. Nem sempre acontece, mas muitas ainda tentam, lutam, batalhando pela sua escrita. Pelo direito e privilégio de serem publicadas e lidas.

Como criadora de conteúdo (oi, escritor!) eu me vejo na responsabilidade de nessa data compartilhar alguns livros incríveis escritos por mulheres. Mulheres de diferentes grupos, de diferentes países, ascendências, idiomas e estilos de escrita. Todas reconhecidas nos seus devidos meios. As suas obras são facilmente diferenciadas. Enquanto algumas optam por compartilhar as suas vivências. Outras compartilham histórias e ideias reais, uma delas inclusive compartilha a história de outra grande e importante mulher. O fato é que o trabalho de cada uma delas é forte, até mesmo quando apresentado na forma de uma comédia romântica. Muitas estão vendendo mundo afora, sendo recomendado por especialistas, compartilhado em grupos de leitura, irritando alguns e inspirando muitas.

Algumas chegaram no topo das listas de mais vendidas, outras ainda vão chegar lá. De qualquer forma, o valor das suas obras é indiscutível. Escritor, eu lhe apresento 8 livros incríveis escritos por mulheres!

Ei! Só para deixar claro, os links da lista são afiliados. Ou seja, a Escritor Publicado recebe comissão da venda pelo link.

A luz que perdemos por Jill Santopolo

Sinopse: 

Ele foi a primeira pessoa a inspirá-la, a movê-la, para compreendê-la verdadeiramente. Era para ser o último?

Lucy é confrontada com uma escolha que altera a vida. Mas antes que ela possa tomar sua decisão, ela deve começar sua história – sua história – no início.

Lucy e Gabe conhecem os idosos da Universidade de Columbia em um dia que muda suas vidas para sempre. Juntos, eles decidem que querem que suas vidas signifiquem algo, importe. Quando se reencontram um ano depois, parece estar certo – talvez eles encontrem o significado da vida um no outro. Mas então, Gabe se torna um fotojornalista atribuído ao Oriente Médio e Lucy prossegue uma carreira em Nova York. O que se segue é uma jornada de treze anos de sonhos, desejos, ciúmes, traições e, finalmente, de amor. Foi o destino que os uniu? É uma escolha que os manteve longe? Sua jornada separa os continentes de Lucy e Gabe, mas nunca os corações uns dos outros.

Leia pois: Foi quase difícil largar esse livro. Eu nunca rinha lido nada da autora e me surpreendi. É lindo, romântico justamente na medida. Ele tem muitos altos e baixos. Com uma apresentação realística de uma história de amor e de um período que muitos tiveram que lidar após vivenciarem algo que impactou a sociedade como um todo. Vale a leitura.
Quote inspirador:


salt. (English Edition) por Nayyirah Waheed


Sinopse:

É uma jornada através do calor e da nitidez. esta coleção de poesia explora as realidades de múltiplas identidades, linguagem, vida e dor diaspóricas, auto, comunidade, cura, celebração e amor.

Leia pois: É uma das poesias mais incríveis e reais. De verdade. A autora trabalha diferentes nuances na sua poesia que fazem com que o leitor se emocione com pouco. São poesias minimalistas, reais, vivas. Por vezes delicada, nos guiando por pensamentos e sensações e em determinados momentos nos dando choques de realidade, parecem até mini tapas na cara com verdades que todos precisam lidar.

Quote inspirador*:

*tradução livre.

O que o sol faz com as flores por Rupi Kaur

 

Sinopse:

“O que o sol faz com as flores” é uma coletânea de poemas sobre crescimento e cura. Ancestralidade e honrar as raízes. Expatriação e o amadurecimento até encontrar um lar dentro de você. Organizado em cinco capítulos e ilustrado por Rupi Kaur, o livro percorre uma jornada dividida em murchar, cair, enraizar, crescer, florescer. Uma celebração do amor em todas as suas formas.

Leia pois: É impossível falar de escritoras mulheres sem falar da Rupi. E o seu segundo livro é tão forte quanto o primeiro. Já recomendamos essa obra, na versão em inglês aqui, e o sucesso da autora se repete com a  versão traduzida. Leia para refletir, para sonhar, para deixar a imaginação correr solta e ter um bom lugar para se aquietar. Leia “O que o sol faz com as flores” para ver um pouco da visão do outro, no caso de uma autora tão diferente da gente.

Quote inspirador*:

*tradução livre, do livro “The Sun and Her Flowers”.

Fugitiva por Alice Munro

Sinopse:

“Uma história de ninar, em que todos os detalhes eram importantes e precisavam ser acrescentados a cada vez, e isso com relutância convincente, timidez, risinho, que safada, que safada.” Trecho do conto que dá título à Fugitiva, coletânea de narrativas de Alice Munro, essa frase, calculada e ao mesmo tempo natural, sincera, sem amarras, poderia representar bastante, como um objeto visto por lente de aumento, a prosa da autora canadense: histórias de ninar, cheias de detalhes pessoais e próprios de intimidades, de momentos em que se está livre do olhar de um terceiro. Vencedora do Nobel de Literatura de 2013, Alice Munro apresenta em Fugitiva as obscuras e frágeis fundações de relacionamentos, de descobertas juvenis ou tardias, de enfrentamento ou aceitação de mistérios no universo feminino. As mulheres de Munro, e especialmente neste livro, se encontram em constante questionamento: a idade, o trágico e o belo de correr atrás de um homem que acaba-se de encontrar no trem, a insegurança e o desejo em forças opostas na relação entre marido e esposa. Cada conto se desdobra em movimentos que geram uma reação inesperada, como nas histórias de ninar, em que tudo reside calmamente até que surge o elemento desequilibrador. Que, mais do que pôr a própria narrativa em xeque, deixam cada personagem fora de órbita, atraídos e repelidos por forças que nem eles, tampouco o narrador, sabem a origem. O cenário, apesar de ser sempre o do norte canadense, se transporta para aquela esfera universal que faz de uma obra literária um clássico atemporal.

Leia pois: Uma mulher escritora que ganhou o Nobel em 2013, com a proeza de fazer vários livros inspiradores. Sem perder a qualidade. E essa obra trabalha justamente momentos, mulheres, sonhos e dúvidas. Na medida para o momento em que vivemos.

Quote inspirador*:

*tradução livre.

Sofia Khan is Not Obliged: A heartwarming romantic comedy por Ayisha Malik

Sinopse:

Sofia Khan está solteira mais uma vez, depois que “potencial” namorado aparenta ser um pouco próximo demais dos pais. E ela ficaria feliz assim, se seu chefe não lhe pedisse que escrevesse um livro sobre o mundo estranho e maravilhoso do namoro muçulmano. Claro, mesmo que ela definitivamente não esteja procurando por amor, para escrever o livro, ela precisa fazer uma pequena pesquisa. . .

Leia pois: Eu queria ao menos lembrar como me deparei com a obra de Ayisha Malik, acredito que foi quando a própria Amazon me indicou como leitura por ser similar a outro. Só lembro que foi no meu aniversário. Uma das minha grandes surpresas literárias de 2017. A autora fez com que, sem eu nem perceber,  me encantasse e torcesse por uma protagonista com uma cultura completamente diferente da minha. Mas com dilemas, sonhos e ideias tão similares. Talvez seja besteira, mas a comédia romântica de uma muçulmana que fica encarregada de escrever um livro sobre namoro muçulmano vai ficar sempre marcado como o livro da minha atual idade.  E sim, tem um livro que é a sequência, e sim, eu já li e também recomendo.

Quote inspirador*:

*tradução livre

Cleopatra: A Life por Stacy Schiff

Sinopse:

Seu palácio cintilava com ônix e ouro, mas era mais rico ainda mais em intriga política e sexual. Acima de tudo, Cleopatra era uma estrategista perspicaz e e grande negociadora. Ela foi casada duas vezes, cada vez com um irmão. Ela travou uma brutal guerra civil contra o primeiro e envenenou o segundo; Incesto e assassinato foram especialidades familiares. Ela teve filhos com Júlio César e Mark Antony, dois dos romanos mais proeminentes da época. Com Antony, tentou forjar um novo império. Famosa muito antes de ser notória, Cleópatra ficou famosa por todas as razões erradas. Sua personalidade flexível e o drama de suas circunstâncias perderam-se. Em um retorno magistral às fontes clássicas, Stacy Schiff separa corajosamente o fato da ficção para resgatar a rainha magnética cuja morte inaugurou uma nova ordem mundial.

Leia pois: Parte de mim só queria agradecer a autora por compartilhar uma versão da Cleópatra que poucos conhecem, que faz com que mais mulheres se inspirem nela. Mostrando a verdade, o lado mais forte e guerreira dela. Motivo que fez com que eu quisesse compartilhar essa obra com vocês. Se inspirem no passado, sabendo que a história nem sempre é justa com as mulheres, mas que o futuro sem vem, e com tal mulheres que vão fazer jus às outras.

Quote inspirador*:

*tradução livre

Uma estranha na cidade por Carol Bensimon

Sinopse:

Em seu primeiro livro de não ficção, Carol Bensimon traz textos que colocam em evidência as peculiaridades e as angústias de uma geração que, enquanto aprende a decodificar o mundo, tenta ser compreendida pela que a antecedeu. Aqui estão reunidas crônicas publicadas no jornal, reflexões veiculadas em blogues e ainda um ensaio inédito sobre a busca pelo genuíno em uma cidade-fantasma dos Estados Unidos. As pautas são múltiplas: planejamento urbano e o espaço das pessoas nas cidades, viagens, tecnologia e sua interferência no cotidiano, novos paradigmas do consumo e até mesmo as maneiras contemporâneas de expressão sentimental e sexual.
Antes de mudar o mundo, a geração que já viveu a revolução digital quer relações interpessoais mais livres, espera criar cidades humanas e seguras e tenta empurrar um pouco mais para longe as fronteiras geográficas. Os ventos de mudanças já estão aqui. Resta descobrir para onde navegar.”

Leia pois: A autora sai muito bem no seu primeiro livro de não ficção. Ela nos guia pelas suas ideias e interesses. Nos mostrando ruas, caminhos, cidades, sonhos e conexões. Tudo isso em um livro bem pensado, trabalhado e conduzido. Daqueles de se comprar o livro físico e levar para uma praça ou para a beira da piscina.

Quote inspirador:

Memórias de Uma Beatnik por Diane di Prima

Sinopse:

Uma jovem beatnik na Nova York boêmia dos anos 1950. Jazz, poesia e muito sexo.
Um retrato ousado, franco, mas bem humorado da geração beat, por uma de suas principais representantes.

Leia pois: Uma importante ativista, escritora e editora da geração Beat. A autora trabalha com muita liberdade, mesclando a ficção e o erotismo para compartilhar um pouco daquela época. Que por mais que pareça tão distante, tem muito a ainda compartilhar.

Quote inspirador:


E aí, gostaram da lista? Qual dessas grandes escritoras você vai ler agora? Comenta para a gente.

5 Livros para ler nas férias

O que você vai ler nas férias? Já pensou ou nem teve tempo de fazer a lista? Muitas vezes o período pré-férias ou recesso acaba por ser uma loucura só. Tudo se acumula. Nós sabemos que escritor de verdade não perde a oportunidade de ler, seja para relaxar ou para aprender. É um hobby mesmo. Mas acontece que em alguns momentos a primeira opção acaba por ser a mais necessária, afinal um cérebro cansado não assimila muita coisa.

Por isso, independente de você for pegar a estrada em direção ao descanso ou partir para a folia carnavalesca eu separei 5 livros para você curtir. Tem mistério, história real, poesia, autobiografia e um bestseller que está dando o que falar.

Bom descanso!

Ei! Só para deixar claro, os links da lista são afiliados. Ou seja, a Escritor Publicado recebe comissão da venda pelo link.

A Grande Jogada

Autora: Molly Bloom

Sinopse: Com pouco mais de 30 anos, Molly Bloom ganhou as manchetes dos jornais ao ser presa pelo FBI por operar fora da legalidade uma das mais milionárias mesas de pôquer do mundo. Bonita e atraente, cortejada por homens poderosos, com um guarda-roupa de grife e montanhas de dinheiro no banco, a Princesa do Pôquer, como ficou conhecida, parecia mais uma estrela de Hollywood que uma criminosa confessa. E foi em Hollywood mesmo que ela começou, do zero, a promover as mesas pelas quais passariam, nos anos seguintes, centenas de milhões de dólares, em partidas que aconteciam em luxuosas suítes de hotéis, para uma seleta lista de convidados dispostos a desembolsar quantias que partiam dos seis dígitos. Entre eles, astros como Leonardo DiCaprio, Tobey Maguire e Ben Affleck, mandachuvas da indústria do entretenimento, líderes estrangeiros, grandes magnatas e até mesmo a máfia russa.

Leia pois… História real. Personagem principal forte. Livro que inspirou filme. Só esses três pontos já deviam te fazer clicar no link acima. O livro é rápido, algo que não se imaginaria ao ver que tem quase trezentas páginas, e a autora que escreveu é a Molly Bloom mesmo, ou seja, tem a graça de acompanhar de forma super parcial a história.

A Sutil Arte de Ligar o Foda-Se

Autor: Mark Manson

Sinopse: Chega de tentar buscar um sucesso que só existe na sua cabeça. Chega de se torturar para pensar positivo enquanto sua vida vai ladeira abaixo. Chega de se sentir inferior por não ver o lado bom de estar no fundo do poço. Coaching, autoajuda, desenvolvimento pessoal, mentalização positiva — sem querer desprezar o valor de nada disso, a grande verdade é que às vezes nos sentimos quase sufocados diante da pressão infinita por parecermos otimistas o tempo todo. é um pecado social se deixar abater quando as coisas não vão bem. Ninguém pode fracassar simplesmente, sem aprender nada com isso. Não dá mais. é insuportável. E é aí que entra a revolucionária e sutil arte de ligar o foda-se.”

Leia pois…Quer começar o ano se desligando de geral? Leia esse livro. Existe um motivo para ser um bestseller. É uma leitura interessante, ligeiramente leve, boa para quem anda refletindo sobre a vida ou simplesmente cansou de ficar na mesma. Vale e a leitura

Objetos Cortantes

Autora: Gillian Flynn

Sinopse: Recém-saída de um hospital psiquiátrico, onde foi internada para tratar a tendência à automutilação que deixou seu corpo todo marcado, a repórter de um jornal sem prestígio em Chicago, Camille Preaker, tem um novo desafio pela frente. Frank Curry, o editor-chefe da publicação, pede que ela retorne à cidade onde nasceu para cobrir o caso de uma menina assassinada e outra misteriosamente desaparecida.”

Leia pois… Olha, para mim praia combina com mistério. Com histórias que prendem, mistérios bem escritos, que fazem ficar apreensiva, vibrar com o desenvolvimento da história e que o fim não seja óbvio. E Gillian Flynn é ótima em entregar isso para os seus leitores. Livro de estréia da autora que viria a se consagrar com “Garota Exemplar”, ele pode ter alguns anos mas nem por isso deixa de surpreender. E além de que, recém vai virar uma série de televisão. 

A Princesa Salva a Si Mesma Neste Livro 

Autora: Amanda Lovelace

Sinopse: ” É um livro sobre resiliência e, sobretudo, sobre a possibilidade de escrevermos nossos próprios finais felizes. Não à toa A princesa salva a si mesma neste livro ganhou o prêmio Goodreads Choice Award, de melhor leitura do ano, escolha do público. Esta é uma obra sobre amor, perda, sofrimento, redenção, empoderamento e inspiração. Dividido em quatro partes (“A princesa”, “A donzela”, “A rainha” e “Você”), o livro combina o imaginário dos contos de fada à realidade feminina do século XXI com delicadeza, emoção e contundência…”

Leia pois… Sabe quando o livro te prende?  Parece que para levemente no tempo? Isso aconteceu. “A Princesa Salva a Si Mesma Nesse Livro” foi um dos meus livros favoritos de 2017. Li, reli e indico para muitos. Finalmente chegou no Brasil, e o melhor? Com uma tradução impecável. Para quem é fã de poesia, fica a dica mais do que necessária para essa temporada de férias. Já até para ir se preparando para a continuação do livro, que chega ainda esse ano.

O Livro de Jô Uma Autobiografia Desautorizada – Volume 1

Autor: Jô Soares (Autor),‎ Matinas Suzuki Jr.

Sinopse: Prestes a completar oitenta anos e com verve mais afiada do que nunca, Jô Soares compartilha sua trajetória de astro midiático num livro de memórias escrito para fazer rir, chorar e, sobretudo, não esquecer. O primeiro volume resgata fatos, lugares e pessoas marcantes da juventude de Jô e reconstitui seus primeiros passos no mundo dos espetáculos, nas décadas de 1950 e 1960. Entre a infância dourada no Copacabana Palace e a dura conquista do estrelato, acompanhamos o autor do nascimento aos trinta anos. Os antecedentes familiares, a meninice privilegiada nos palácios da elite carioca, a mudança para um internato na Suíça, os marcos da formação cultural do futuro showman na adolescência, a paixão pelo jazz, a estreia modesta em pontas no cinema e na televisão, o primeiro casamento e, finalmente, a conquista do sucesso numa São Paulo fervilhante: tudo que você sempre quis saber sobre Jô, ele mesmo conta, com o talento narrativo do romancista de O Xangô de Baker Street e O homem que matou Getúlio Vargas.”

Leia pois…  É a biografia do Jô. Ponto. Um dos comunicadores e personalidades mais ilustres do nosso país. O livro é bom, fácil de ler. Meio cumprido mas nada que uma (ou duas) boas tardes de sol ou chuva não resolvam, já que ele flui. Além do aval e escrita do Jô tem as histórias e fatos que só ele mesmo poderia descrever e contar. Ótima leitura!

Bônus – Para esperar: A Forma da Água 

O que acontece quando a ordem é invertida? Quem assiste ao filme acaba por ficar esperando o livro. Guillermo del Toro, diretor do filme homônimo, é um dos autores da obra. Se já queremos ler? Com certeza. Ainda mais se ele fizer um livro tão bom quanto o filme.

Sinopse:Richard Strickland é um oficial do governo dos Estados Unidos enviado à Amazônia para capturar um ser mítico e misterioso cujos poderes inimagináveis seriam utilizados para aumentar a potência militar do país, em plena Guerra Fria. Dezessete meses depois, o homem enfim retorna à pátria, levando consigo o deus Brânquia, o deus de guelras, um homem-peixe que representa para Strickland a selvageria, a insipidez, o calor — o homem que ele próprio se tornou, e quem detesta ser.Para Elisa Esposito, uma das faxineiras do centro de pesquisas para o qual o deus Brânquia é levado, a criatura representa a esperança, a salvação para sua vida sem graça cercada de silêncio e invisibilidade. Richard e Elisa travam uma batalha tácita e perigosa. Enquanto para um o homem-peixe é só objeto a ser dissecado, subjugado e exterminado, para a outra ele é um amigo, um companheiro que a escuta quando ninguém mais o faz, alguém cuja existência deve ser preservada.”

O livro já está em pré-venda e lança em fevereiro. Uma boa para quem quer ler sobre um dos principais indicados ao Oscar…


Quer mais livros? Aqui tem mais 25! Não vai faltar leitura nessa temporada de praia!

“E se meu livro não vender?” Como resolver esse problema!

Vender, vender, vender. Junto de escrever esse deveria ser um dos verbos em que os escritores mais possuem fluência. Mas sabemos que nem sempre é assim. Acontece, cada um com a sua habilidade. Após escrever, editar, fazer capa, registrar na biblioteca nacional, o próximo passo é justamente começar a divulgar o seu livro e (claro!) começar a vender tal.  

Então você senta, se dedica, estuda, termina com os seus objetivos determinados, metas detalhadas, planejamento pronto e posts publicados. Ótimo não? Tudo pronto para começar a ver dinheiro entrar na sua conta bancária, afinal, você fez a sua parte. Portanto agora é só sentar, pegar um café e esperar enquanto o seu livro vende sozinho.

Quem dera…

Independente do tipo de publicação que você escolher, você escritor vai ter que sempre saber vender o seu livro.

Isso mesmo, não importa se você conseguiu aquele contrato incrível com uma editora tradicional, decidiu publicar por uma editora paga, publicou pelo Wattpad, está traçando a rota da publicação independente ou está apostando todas as suas fichas em e-books. Você vai ter que saber vender o seu livro.

Os livros não se vendem sozinhos. Eles são objetos inanimados e por isso não possuem tal habilidade. Eles precisam de pessoas ali no campo de batalha divulgando, criando anúncios, falando pra todo mundo que o livro lançou. Fazendo tudo que for possível. E a melhor pessoa para isso é você. Afinal é o seu sonho. E você não vai deixar o seu sonho para terceiros, não é mesmo?

Tá com medo? O escolhido foi você. Então levanta, pega um café e comece a pensar em como você vai vender o seu livro. A comunicação você já fez, agora é a hora de fazer ele ser lido.

E nessas horas a dúvida de muitos de vocês é: ” E se meu livro não vender?” 

Calma. Acima de tudo mantenha a calma. Claro, que se bem planejado e alinhado a sua comunicação vai vender o seu livro de forma tranquila. Mas fazer a divulgação, o planejamento, determinar estratégias é o mínimo. Por isso não se desespere se você não conseguir vender logo de primeira. Não desanime, o mercado é competitivo mas tem lugar para todos.

Por isso é importante que você mantenha o foco, procure saber o que você pode fazer para melhorar as suas ações de comunicação. E corrija a sua trajetória. Mas compreenda que vender o seu livro também significa se vender. E essa é a maior verdade que eu poderia compartilhar contigo.

Vender o seu livro é se vender.

Tudo, absolutamente tudo, que você constrói ou até mesmo deixa de construir para a sua marca de escritor fala algo. Passa uma imagem, impressão, ideia. E tal acaba por ajudar ou atrapalhar na hora da venda do seu livro. A ideia é que ajude. Por isso, é muito importante ter cuidado com o que você está transparecendo.

Pois mais do que nunca a sua Imagem, a marca de escritor, está atrelada ao sucesso do seu livro. Parece fútil, eu sei. Mas é a realidade. A maioria das pessoas compram livros pois conhecem ou ao menos ouviram falar dos autores. E em tempos de redes sociais, isso tem se tornado padrão.

Os leitores buscam uma conexão com o que leem. E por mais que tal possa e deve ser estabelecida através da escrita, da construção da narrativa, do desenvolvimento de personagens, sabemos que no momento da compra em si o leitor não consegue ter acesso a tais. Nessa hora ele se baseia por alguns fatores: capa, sinopse, autor, primeiras páginas (shhh!) e opiniões.

Sim, ele pode até mesmo buscar opiniões de terceiros…

Mas não vai ter tempo de criar uma conexão com a sua história ali, na hora. Por isso a importância da marca, da divulgação, de tudo. Você pode se destacar, chamar a atenção, ser diferente dos seus concorrentes. E o melhor, fazer isso seguindo o branding. Incrível não?

Acontece que todos somos passíveis de erros ou equivocações. Normal, aceitável. Você não precisa se martirizar escritor, pensar que você é um desastre só porque os seus livros não estão tendo o sucesso desejável e alcançável. Muito menos desistir, jogar o marketing digital pro alto e começar a publicar loucamente que nem publicava antes. Calma aí escritor, às vezes a capa não atrai tanto o público quanto você (ou a editora) imaginava, às vezes cai de o concorrente lançar um livro mega incrível na mesma semana. Isso tudo é comum.

Faça as pessoas saberem que seu livro está à venda.

Mais do que se vender, é necessário garantir que as pessoas saibam que o seu livro está à venda. Antes de ele chegar nas prateleiras, marketplaces ou plataformas virtuais. Para isso você pode agir de diferentes formas. Você pode se valer de campanhas, gerar leads. Para fazer isso é muito importante procura saber e ter algo que o seu público possa se interessar. Quem sabe o primeiro capítulo do seu livro? Ou as primeiras dez páginas? Pode ser também algum material específico relacionado aos seus personagens.

Você pode oferecer esse material em troca do email, o contato, dos seu público. E avisar eles quando o seu livro for lançado. Isso pode ajudar muito na hora de inclusive fazer pré-venda. E funciona de forma “ganha-ganha”, por exemplo: Você entrega o primeiro capítulo (leitor ganha) e você fica com email da pessoa e avisa que o seu livro está disponível. Para isso você vai ter que utilizar alguma plataforma como o LeadLovers ou mailchimp e fazer uma publicação nas redes sociais. Se quiser, você pode até fazer um ad utilizando essa publicação.

Outra estratégia que você pode utilizar é fazer uma campanha de anúncios. Com ela você pode ir avisando aos poucos, compartilhando detalhes da criação do livro por exemplo, e ir criando um buzz em torno do lançamento. Claro que você não vai ficar um mês, ou mais, falando só do seu livro. A regra 20-80 ainda é muito válida e merece ser respeitada. Logo, mescle os conteúdos. Fale sobre o lançamento mas também de outros temas. Determine uma verba para a campanha, inclua ela nos gastos do seu livro. E faça os anúncios, planejando inclusive tais entre diferentes plataformas, assim você acaba com um maior alcance. E não esqueça do seu público.

Foque no seu público.

Se você quer vender é básico focar os seus esforços no seu público. Por isso segmente bem ele nas plataformas. Se seu livro é um young adult para mulheres, pessoas com mais 40 anos não precisam receber o seu anúncio.Você pode até argumentar que tais podem comprar para sobrinhos, netos, filhos. Mas dessa forma você gasta mais o seu dinheiro, fazendo uma aposta que a pessoa vai olhar seu ad e lembrar que tem que comprar um livro para o aniversário da sobrinha daqui a uns dois meses. Sabe? Não segmentar é apostar o seu dinheiro. Sem retorno garantido.

Logo, é melhor ser pragmático. Foque os seus esforços no seu público. Aquele que dá like, que compartilha, que você sabe que é um público-alvo de verdade. Que você vai conseguir vender seu livro. Por sinal, é a parte da divulgação é uma ótima hora para aumentar mais ainda a sua presença online, do seu rosto mesmo em stories e lives. De vender a sua marca, mais até que o normal e aumentar o alcance orgânico também. Assim, você recompensa o seu público pela presença e fideliza quem está chegando através de anúncios. O seu público vai perceber e vai se sentar valorizado. E isso que vai fazer o seu livro vender. Por isso, repito: foque no seu público. Ele vai se encarregar de comprar o seu livro ou ao menos de dar a dica para a tia que quer tal de aniversário.


Essas foram as minhas dicas para ajudar o seu livro a vender.Tem alguma que você queira compartilhar? Se sim, conte nos comentários.

Por que você não tem novos leitores? E como resolver isso!

Você procura conhecer os seus públicos, se planeja, cria conteúdo original, descobre o melhor horário para publicar nas redes e mesmo assim não consegue ter novos leitores? Calma aí escritor. Pare e reflita um pouco sobre a situação. Faça uma lista de o que você está fazendo e também como está executando essas tarefas. Separe tudo de forma micro, anotando cada detalhe, cada data e, claro, cada resultado. Garantiu que o básico não está faltando. Então segura aí o papel e a caneta e não desiste do marketing digital para escritores por favor.

Algumas vezes é questão de tempo, outras de ter oportunidades, ou até mesmo de de saber como aproveitar tais quando elas estão apresentadas na sua frente. São inúmera situações, cada com seu respectivos pesos e fatores decisivos. Mas de qualquer forma, o importante é se manter presente, ativo, sempre buscando novas soluções.  E nesse texto eu vou lhe explicar justamente como você pode se valer de diferentes técnicas e ferramentas para encontrar o seu público, ter novos leitores e com isso aumentar o alcance dos seus textos, publicações e (claro!) livros.

Se você está fazendo tudo certo a questão não é mais o que falta fazer e sim o que você pode fazer a mais.

Se você já faz o básico, ótimo. Agora é questão de fazer mais. Nessas horas é muito importante lembrar dos seus objetivos e das suas metas. Saber aonde você quer ir e como chegar lá é o básico na sua jornada de escritorAinda mais em um mercado tão competitivo como o literário. Por isso relembrar qual caminho você está trilhando é essencial.

Caso seja necessário, anote em um canto do papel o que está sendo feito e em outra ponta as metas e objetivos. A partir disso comece a separar o que você pode fazer a mais. Sabe? O que você pode fazer hoje que você já não faz? Aquilo que pode começar a ser feito hoje e que vai te dar destaque? Pode ser algo simples, como começar a usar novos filtros no Instagram ou responder mais rápido as suas mensagens inbox da fanpage. Você decide. A importância é fazer mais e se manter constante, não adianta fazer uma coisa nova em um dia se no dia seguinte você não vai conseguir manter.

 

Faça melhor

Uma vez ouvi uma profissional que eu admiro muito falar: “Faça sempre o melhor, mesmo que a sua tarefa seja pequena e aparentemente simples. Se for para checar planilha, que seja para que todas as suas planilhas estejam certas.”  E isso me marcou muito. Não só pelo preciosismo, que muitas vezes gosto de empregar, mas porque se você já faz mais, faz sentido o próximo passo ser fazer melhor. Com mais qualidade. Muitas vezes, é necessário empregar só mais vontade.

Para isso você deve analisar o que você está fazendo e como pode melhorar. Tudo é um processo, elementos que juntos podem contribuir para que você tenha uma carreira de sucesso. Você está começando a fazer algo novo e isso requer tempo. Tanto para solidificar o processo quanto para conseguir mantê-lo como parte da sua rotina diária.

E é muito importante fazer isso sempre, com cuidado, claro, para não cair no excesso, como forma até de se auto nivelar. Saber como está sendo feito e como melhorar, como ter mais qualidade e observar a resposta dos seus leitores. Isso chama a atenção de todos. Fazendo com que  quem lhe acompanha pelas redes ou nos seus livros se sinta de certa forma valorizado e e faz com que outros possíveis leitores passem a te seguir. Pois você acaba por entregar mais qualidade pelo mesmo “valor”. E faz com que você se destaque.

Foco

Algo que se aprende com o tempo é que ter foco é o mínimo para se ter qualquer tipo ou forma de sucesso. Pessoal, profissional, físico, etc. E com a escrita e com o marketing digital  não é diferente. Mais do que fazer mais e melhor é preciso saber focar no que você está fazendo. Agindo com propósito, determinação. Além de, claro, te poupar tempo é uma ótima ferramenta para conciliar a vida de escritor com a sua outra profissão ou mesmo com outros afazeres.

E como entra a parte de ter mais leitores? Simples. Através do foco você vai conseguir se dedicar mais ao que realmente é importante. Conseguindo assim traçar metas mais claras e realísticas com o que você consegue entregar, podendo assim se dedicar a escrita, inclusive melhorando-a.  E com isso, vai conseguir chamar mais atenção de leitores, pois vai estar entregando conteúdo de forma mais eficiente e até com mais qualidade.

Constância, sempre.

Não adianta fazer mais, melhor, com foco se você vai aparecer na timeline do seu público uma vez por semana. Desculpa, mas isso não dá certo. Pelo contrário, só passa que você não é profissional. O contrário do seu objetivo, não é mesmo?

Ser constante é mais do que estar “ali”, online. É fazer publicações, responder comentários, tirar dúvidas por inbox ou responder direct no Instagram. E claro, cuidar do seu e-mail. Estar constante é tudo em tempos de hiperconectividade. Pois mostra que mais do que só vender ou divulgar você se importa, você fez a escolha de estar presente. Que não é uma marca passiva, controlada por robôs. E sim por uma pessoa. Transparecendo assim o lado humano da marca. E isso faz com que os leitores se identifiquem com você, te indiquem para os amigos, curtam, compartilham. Podendo muitas vezes te ajudar a furar a bolha, algo que vamos ver a seguir.

 

Fure a bolha

Em épocas de mudanças de algoritmos, de redes sociais que permitem adicionar quem você conhece em outras plataformas, furar a bolha é básico. Muitas vezes é a única forma como você vai conseguir tem um alcance e engajamento significativo, um público que lhe entenda. E que participe de verdade, interagindo, comprando livros, compartilhando postagens. E sabe como você faz isso? Criando campanhas, com anúncios direcionados para o público que você definiu e que lhe traz retorno.

Furar a bolha não é difícil, muito menos caro. Você pode fazer com um investimento de três reais por dia nas redes sociais, por exemplo. E claro que planejando de forma eficiente você consegue criar uma campanha que abranja um bom público, talvez até maior que você imaginou. Que ultrapasse aquelas pessoas que você conhece ou ouviu falar, aumentando o alcance das suas redes.

Dessa forma você acaba por atingir mais pessoas, leitores. Que podem acabar por se engajar e seguirem assíduos acompanhando o seu trabalho, as suas publicações e inclusive eventualmente comprarem o seu livro. E é isso que você quer, não é mesmo? Leitores, muitos.


Fazer melhor, mais, com foco, constância e furando a bolha. Não é uma fórmula mágica, mas contribui muito para se ter mais leitores. Depois de começar, é só continuar. Tem alguma dica que faltou no post? Se sim, deixa para a gente nos comentários.